Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Marty Graham

MURRIETA EUA (Reuters) - Manifestantes anti-imigração bloquearam a chegada de três ônibus que transportavam famílias centro-americanas para uma estação da polícia de fronteira dos Estados Unidos, nesta terça-feira.

Os imigrantes, um grupo de cerca de 140 pessoas entre adultos e crianças, foram enviados do Texas para San Diego, na Califórnia, para serem registrados e submetidos a procedimentos de checagem, antes de provavelmente serem liberados sob supervisão limitada à espera dos procedimentos de deportação, disseram autoridades de imigração.

Mas os planos de levar imigrantes para um posto da polícia de fronteira em Murrieta, 100 quilômetros ao norte de San Diego, provocaram o protesto do prefeito da cidade, Alan Long, que disse que eles representariam uma ameaça de segurança pública à sua comunidade.

O grupo é parte de uma crescente onda de famílias e de menores desacompanhados que deixam a Guatemala, El Salvador e Honduras e entram aos milhares nos Estados Unidos por meio de redes de tráfico de pessoas, através do México.

A maioria vai para o Texas, sobrecarregando as instalações para detenções e processamento.

O aumento deixou as autoridades de imigração dos EUA em dificuldades para lidar com o grande número de centro-americanos, que, por lei, o governo não pode deportar imediatamente, como poderia fazer com mexicanos ou canadenses ilegais.

Mais de 52 mil crianças desacompanhas da América Central foram pegas tentando entrar pela fronteira entre México e EUA desde outubro, o dobro do número no mesmo período do ano anterior, segundo dados da agência de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA. Milhares mais foram apanhados na presença dos pais.

O grupo no meio da discórdia desta terça-feira chegou de avião ao meio dia em San Diego, vindo do Texas, onde havia sido detido enquanto tentava cruzar a fronteira e foi colocado em três ônibus para Murrieta.

(Por Marty Graham e Eric M. Johnson)

Reuters