Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma unidade móvel de artilharia israelense dispara em direção à Faixa de Gaza nesta segunda-feira. 21/07/2014 REUTERS/Nir Elias

(reuters_tickers)

Por Nidal al-Mughrabi e Crispian Balmer

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Os Estados Unidos, alarmados com a escalada do derramamento de sangue civil em uma ofensiva israelense na Faixa de Gaza, assumiram um papel direto nos esforços para tentar alcançar um cessar-fogo nesta segunda-feira, quando o número de palestinos mortos já superava 500.

Apesar dos apelos crescentes para o fim das duas semanas de combates, a violência se alastrou. Israel alvejou a Faixa de Gaza e matou 28 membros de uma família em um só ataque, 11 pessoas em um ataque contra um edifício e quatro no bombardeio de um hospital, segundo fontes médicas.

As baixas de Israel também aumentaram. Após a morte de 13 soldados no domingo, Israel disse que mais sete militares foram mortos nesta segunda-feira, incluindo quatro cujo jipe foi incendiado por um grupo de militantes que atravessaram a fronteira por túneis clandestinos.

Aviões israelenses reagiram rapidamente, matando 10 dos infiltrados do grupo islâmico Hamas, disse o Exército.

A violência também se espalhou para a Cisjordânia ocupada, onde médicos palestinos disseram que soldados israelenses atiraram e mataram um homem palestino, de 21 anos, enquanto dispersavam manifestantes que jogavam pedras em um jipe ​​militar perto de Jerusalém.

O Exército de Israel disse que estava investigando o incidente.

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, chegou ao Cairo para tentar garantir o fim das hostilidades, um dia depois que ele foi flagrado, por um microfone aberto, fazendo comentários sarcásticos sobre a "operação cirúrgica" de Israel.

Falando em Washington, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que estava cada vez mais preocupado com o conflito.

"Temos sérias preocupações com o crescente número de mortes de civis palestinos e a perda de vidas israelenses, e é por isso que, agora, alcançar um cessar-fogo tem de ser o nosso foco e o foco da comunidade internacional", disse ele a jornalistas na Casa Branca.

O Hamas, que matou 13 soldados israelenses em Gaza no domingo, disse que não irá depor as armas até que uma série de exigências sejam atendidas - incluindo o fim ao bloqueio imposto ao território palestino por Israel e Egito.

"O mundo deve entender que Gaza decidiu pôr fim ao bloqueio por seu sangue e heroísmo", disse o vice-líder do Hamas, Ismail Haniyeh, em um discurso transmitido pela televisão.

No hospital Al-Aqsa, no centro da Faixa de Gaza, quatro pessoas foram mortas e 70 ficaram feridas quando um tanque israelense disparou contra o terceiro andar, onde estavam abrigadas salas cirúrgicas e uma unidade de cuidados intensivos, afirmou o Ministério da Saúde.

O Exército israelense, que acusou os militantes do Hamas de disparar foguetes a partir dos terrenos de hospitais de Gaza e de buscar refúgio nestes lugares, não tinha comentários imediatos.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha emitiu uma declaração condenando o bombardeio do hospital "nos termos mais fortes". A entidade disse que o hospital ficou sob fogo direto pelo menos quatro vezes e que equipamentos salva-vidas foram severamente danificados.

Ataques ininterruptos elevaram o número de mortos palestinos para 536, incluindo quase 100 crianças, desde que os combates começaram em 8 de julho, disseram autoridades da Saúde de Gaza. Israel diz que 25 dos seus soldados foram mortos, além de dois civis.

(Reportagem adicional de Jeffrey Heller, em Jerusalém; de Noah Browning, em Gaza; de Yasmine Saleh, no Cairo; e de Lesley Wroughton, em Washington)

Reuters