Navigation

Novas sanções planejadas pela UE são "ato inamistoso", diz Rússia

Este conteúdo foi publicado em 10. julho 2014 - 15:54

MOSCOU (Reuters) - A Rússia qualificou nesta quinta-feira como "ato inamistoso" os planos da União Europeia de ampliar a lista de pessoas, entre as quais russos, que serão alvo de sanções em razão da crise na Ucrânia, incluindo o congelamento de bens e proibição de viagens para o bloco de 28 países.

Na quarta-feira, um diplomata da UE disse que o bloco havia concordado em acrescentar mais 11 nomes à lista, medida que provavelmente passaria a ter efeito no sábado.

"Nossa atitude em relação a listas de sanções não mudou", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Rússia, Alexander Lukashevich. "Esse é um ato inamistoso que só reflete o estado geral de nosso relacionamento com a UE."

"Nós estamos totalmente convencidos de que esse não é um método de cooperação entre grandes atores como a Rússia e a União Europeia."

O diplomata em Bruxelas afirmou, depois de uma reunião de embaixadores da UE para tratar do assunto, que a lista consiste principalmente de separatistas ucranianos, mas poderia incluir também "um ou dois russos".

(Reportagem de Gabriela Baczynska)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.