Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Rachel Daniel, de 35 anos, exibe uma foto de sua filha sequestrada por militantes do Boko Haram, ao lado do filho Bukar, de 7 anos, em Maiduguri, na Nigéria, em maio. 21/05/2014 REUTERS/Joe Penney

(reuters_tickers)

NIAMEY (Reuters) - Nigéria, Níger, Chade e Camarões se comprometeram nesta quarta-feira a mobilizar uma força conjunta para enfrentar a crescente ameaça regional representada por militantes islâmicos do grupo Boko Haram que operam principalmente em território nigeriano.

Cada nação deve mobilizar 700 homens para a força no mais recente esforço para melhorar a resposta regional contra os militantes, que intensificaram a insurgência no norte da Nigéria e realizaram alguns ataques em países vizinhos.

"Esta etapa é prova do nosso compromisso para fazer todo o possível para erradicar esta praga", disse o ministro da Defesa do Níger, Karidio Mahamadou.

Os quatro países, cujas fronteiras se encontram no Lago Chade, uma área que é um reduto do Boko Haram, já compartilham inteligência e coordenam a segurança de fronteira na região, mas a mobilização de uma força regional nesta escala representa uma grande esforço.

O anúncio foi feito depois de uma reunião dos ministros da Defesa dos quatro países, mas não foram divulgados detalhes sobre o momento ou o local da mobilização das tropas.

Os militantes têm matado milhares de pessoas desde 2009, quando lançaram os seus esforços para fundar um Estado islâmico na Nigéria.

Bombardeios e ataques se tornaram comuns no norte da Nigéria, mas o Boko Haram chamou a atenção mundial há cerca de três meses ao sequestrar mais de 200 meninas de uma escola.

Os sequestros levaram a apelos internacionais para que ações fossem tomadas, além de promessas de presidentes da região para uma "guerra total" contra os militantes.

(Reportagem de Abdoulaye Massalaki)

Reuters