Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Palestinos carregam o corpo de uma mulher retirado dos escombros de uma casa que segundo testemunhas foi destruída em um bombardeio de Israel, na Faixa de Gaza. 4/08/2014. REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

(reuters_tickers)

Por Nidal al-Mughrabi

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Palestinos acusaram Israel de quebrar um cessar-fogo estabelecido nesta segunda-feira pelo próprio governo israelense ao realizar um ataque sobre um campo de refugiados na Cidade de Gaza que matou uma menina de oito anos e deixou 29 pessoas feridas.

O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza Ashraf Al-Qidra disse que o ataque contra uma casa no campo Shati aconteceu depois do início previsto da trégua nesta segunda de manhã.

Uma porta-voz do Exército israelense disse que estava checando a informação.

Israel anunciou um cessar-fogo para facilitar a chegada de ajuda humanitária e para permitir a entrada em casa de centenas de milhares de palestinos desabrigados devido ao conflito de quatro semanas.

O anúncio foi recebido com desconfiança pelo grupo islamita Hamas, que controla Gaza, e foi feito após a incomum repreensão dos Estados Unidos em decorrência do aparente ataque israelense no domingo a um abrigo administrado pela ONU, que matou 10 pessoas.

Uma autoridade de defesa israelense disse que o cessar-fogo, das 10h às 17h (4h às 11h no horário de Brasília), teria validade em todos os locais menos nas áreas ao sul da cidade de Rafah, onde forças terrestres intensificaram os ataques depois que três soldados foram mortos em uma emboscada do Hamas lá na sexta-feira.

Reuters