Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O recém-eleito Parlamento do Iraque adiou sua próxima sessão para 12 de agosto, informou o gabinete do presidente em exercício do legislativo nesta segunda-feira, em meio a um impasse político em Bagdá sobre a formação de um novo governo. 01/07/2014 REUTERS/Thaier Al-Sudani

(reuters_tickers)

BAGDÁ (Reuters) - O recém-eleito Parlamento do Iraque adiou sua próxima sessão para 12 de agosto, informou o gabinete do presidente em exercício do legislativo, Mehdi al-Hafidh, nesta segunda-feira, em meio a um impasse político em Bagdá sobre a formação de um novo governo.

O gabinete de Hafidh disse à Reuters que o Parlamento emitiria um comunicado em breve para esclarecer a razão do adiamento.

Salim al-Jabour, um parlamentar sunita, disse à Reuters que a reunião foi adiada porque o Parlamento "falhou em alcançar um consenso político ou entendimento" sobre a nomeação dos três principais cargos.

O Parlamento se reuniu na última terça-feira pela primeira vez desde sua eleição em abril e havia planejado uma nova sessão para a próxima terça.

A primeira sessão terminou sem acordo sobre cargos de primeiro escalão no governo. Sunitas e curdos se retirarem após os xiitas não nomearem um novo candidato a primeiro-ministro.

O acuado primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, disse na semana passada que espera superar os desafios que impedem a formação de um novo governo, mas ele se mantém firme em seu objetivo de permanecer no cargo apesar das críticas feitas por muitos membros do dividido Parlamento, que querem que ele desista de se candidatar a um terceiro mandato.

Sob o sistema de governo vigente desde a deposição de Saddam Hussein, o primeiro-ministro tem sempre sido integrante da maioria xiita, o presidente do parlamento, um sunita, e o presidente, cargo sobretudo cerimonial, um curdo.

(Reportagem de Ahmed Rasheed)

Reuters