Navigation

Premiê do Iraque diz estar comprometido com formação de novo governo no prazo

Este conteúdo foi publicado em 25. junho 2014 - 13:10

BAGDÁ (Reuters) - O primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, disse nesta quarta-feira que está comprometido a formar um novo governo num momento em que enfrenta crescentes pedidos de seus opositores, e de alguns de seus ex-aliados, para que deixe o cargo.

Uma crescente insurgência está ameaçando fragmentar o Iraque dois anos e meio depois da retirada das tropas dos Estados Unidos do país. Os opositores internos de Maliki dizem que ele agravou a situação ao afastar os sunitas moderados que antes combatiam a al Qaeda, mas agora estão se aliando ao grupo extremista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL).

"Nós vamos participar da primeira sessão do Parlamento em conformidade com os estipulado pela Constituição, o compromisso com o chamado da Marjaiya (órgão supremo do clero xiita do Iraque) e a lealdade ao nosso povo", disse Maliki na televisão estatal.

Na sexta-feira o próprio grão-aiatolá Ali al-Sistani, da Marjaiya, pediu que o processo de formação do governo começasse.

Na quarta-feira da semana passada foram confirmados os resultados da eleição nacional, realizada em abril, o que deu início ao processo pelo qual a primeira sessão do novo Parlamento tem de ser realizada até 1º de julho.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, disse que num encontro com Maliki na segunda-feira o primeiro-ministro havia "em vários momentos afirmado seu compromisso com 1º de julho" como a data para iniciar a formação de um novo governo.

Embora as autoridades norte-americanas tenham tido o cuidado de não dizer publicamente que querem a saída de Maliki do cargo, altos funcionários iraquianos afirmam que tal mensagem foi expressa nos bastidores.

(Reportagem de Isra' al-Rubei'i)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.