Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados ucranianos conduzem um tanque militar com uma bandeira da Ucrânia em um posto de controle perto de Slaviansk, no leste da Ucrânia, na quinta-feira. 03/07/2014 REUTERS/Andrew Kravchenko/Pool

(reuters_tickers)

Por Richard Balmforth e Thomas Grove

KIEV (Reuters) - A Ucrânia propôs um local e um horário no sábado para conversar sobre um cessar-fogo duradouro com rebeldes pró-Rússia e aguarda uma resposta, informou o site da Presidência, enquanto combates no leste mataram 13 militares.

O site não mencionou o local, mas um diplomata ocidental espera que a reunião aconteça novamente na cidade de Donetsk, polo industrial no leste ucraniano onde os rebeldes controlam pontos-chave.

Em um dos piores episódios de violência desde que o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, suspendeu o cessar-fogo unilateral em 30 de junho, o quartel-general da “operação antiterrorista” (ATO, na sigla em inglês) da Ucrânia afirmou que pelo menos 13 militares ucranianos foram mortos nesta sexta-feira.

Mais de 200 funcionários do governo morreram, assim como centenas de civis e rebeldes, nos mais de dois meses de combates nas regiões do leste, onde a maioria fala russo e quer se unir à Rússia.

Kiev afirmou que os militares do país sofreram baixas de francoatiradores perto da cidade de Slaviansk, enclave rebelde e palco de conflitos onde os bombardeios deixaram as ruas esburacadas e edifícios danificados e chamuscados.

O quartel-general da ATO declarou nesta sexta-feira ter recuperado o controle do vilarejo próximo de Mykolayivka após intensos combates.

“No decurso da operação, numerosos terroristas foram aprisionados e um arsenal considerável de várias armas foi tomado”, disse um comunicado no Facebook.

Slaviansk, cidade de 130 mil habitantes, e vilarejos vizinhos vêm sendo o principal alvo da iniciativa militar da Ucrânia para expulsar combatentes leais ao comandante rebelde moscovita Igor Strelkov.

Strelkov fez um apelo emocionado à Rússia nesta sexta-feira, alertando em um site rebelde que, sem a ajuda de Moscou, toda a região que os combatentes almejam, conhecida como Novorossiya (Nova Rússia), irá tombar diante das forças de Kiev.

"Slaviansk irá cair antes do resto”, escreveu.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia acusou a Ucrânia de arriscar a vida de civis inocentes na região. “Pedimos às autoridades ucranianas que cessem o fogo contra alvos civis e áreas residenciais”, declarou.

O comunicado no site de Poroshenko disse que o mandatário informou a chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, que Kiev propôs um local e um horário para as conversas de sábado, mas autoridades separatistas insinuaram que o local pode ser um problema, já que líderes rebeldes podem ser presos pelas autoridades ucranianas se saírem dos seus bastiões.

A economia da Rússia pode enfrentar mais sanções dos Estados Unidos e da UE se os separatistas não atenuarem a crise, um problema que o presidente norte-americano, Barack Obama, conversou com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, novamente nesta sexta-feira.

(Reportagem adicional de Maria Tsvetkova, em Donetsk; e de Natalia Zinets e Thomas Grove, em Kiev)

Reuters