Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente russo, Vladimir Putin, durante pronunciamento transmitido pela TV, na residência oficial de Novo-Ogaryovo, nos arredores de Moscou. 21/07/2014. REUTERS/Michael Klimentyev/RIA Novosti/Kremlin

(reuters_tickers)

MOSCOU (Reuters) - O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta segunda-feira que a derrubada do avião malaio no leste da Ucrânia não deve ser usado com propósitos políticos e pediu aos separatista que permitam o acesso dos especialistas internacionais ao local da queda da aeronave.

"Tudo deve ser feito para garantir a segurança dos especialistas internacionais no local da tragédia", disse Putin, vestido com terno e gravata negros, em um pronunciamento pouco comum na TV, no qual ele estava sentado em um escritório.

Putin, que parecia cansado, reiterou sua crença de que o incidente não teria acontecido se as forças do governo ucraniano não tivessem encerrado uma trégua e retomado a campanha militar contra os insurgentes pró-Moscou, no leste da Ucrânia. "No entanto, ninguém deveria --e ninguém tem o direito de-- usar essa tragédia para atingir objetivos políticos egoístas. Tais eventos não deveriam dividir as pessoas e sim uní-las", disse ele.

Os comentário de Putin, feito em seguida a uma bateria de conversas diplomática ao telefone, pareceu ter como objetivo contrapor as críticas dos líderes ocidentais, que acusam o mandatário russo de não se esforçar em convencer os separatistas russos, a quem culpam pela derrubada do avião de passageiros, a interromperem o conflito.

Putin defendeu seu papel na crise e reiterou seus pedidos pelo fim das hostilidades no leste ucraniano.

"Temos mais de uma vez pedido a todas as partes no conflito que interrompam imediatamente o derramamento de sangue e comecem a negociar", disse ele.

Ele pediu a criação de um "corredor humanitário" para permitir o acesso dos especialistas ao local onde o avião foi derrubado, matando todas as 298 pessoas a bordo, dentro do território controlado por rebeldes, mas não chegou a fazer um apelo público aos separatistas.

Apesar dos apelos pelo fim do conflito, confrontos eclodiram nesta segunda-feira perto de uma estação ferroviária de Donetsk, controlada pelo movimento separatista desde abril, no que os rebeldes dizem ter sido uma tentativa da forças do governo de recuperar o controle da cidade.

(Texto de Alissa de Carbonnel)

Reuters