Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

JERUSALÉM (Reuters) - Israel prendeu seis suspeitos judeus pelo sequestro e assassinato de um adolescente palestino, cuja morte gerou protestos violentos em Jerusalém e cidades árabe-israelenses, disse uma fonte das forças de segurança no domingo.

Com a tensão em alta, ao longo da fronteira de Gaza, Israel disse que seus aviões atacaram dez locais no enclave palestino, em resposta a persistentes ataques de foguetes à cidades israelenses no sul do país.

Mas o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu assinalou que uma ação israelense mais ampla não é iminente.

A morte de Mohammed Abu Khudair, de 16 anos, que foi queimado vivo, e as mortes anteriores de três adolescentes israelenses sequestrados, têm feito com que as relações entre palestinos e israelenses cheguem ao seu ponto mais baixo, desde que conversações de paz apoiadas pelos EUA fracassaram, em abril.

A fonte das forças de segurança não deu detalhes sobre os suspeitos detidos durante a investigação sobre o sequestro e assassinato de Abu Khudair, além de dizer que eles eram judeus e que a polícia viu "motivação nacionalista" no caso.

O porta-voz da polícia, Micky Rosenfeld, disse que uma ordem de silêncio foi imposta sobre a maioria dos detalhes do caso, comentando apenas que a polícia tinha detido um certo número de judeus suspeitos de realizar o crime.

A agência de segurança de Israel, Shin Bet, disse que os suspeitos estavam sendo interrogados em uma de suas instalações.

Apesar da ordem de proibição de divulgação de informações, a mídia israelense disse que um tribunal ordenou que os suspeitos sejam mantidos sob custódia por oito dias. A polícia se recusou a comentar.

O canal 2 da TV israelense disse que os suspeitos eram judeus extremistas de direita, entre eles alguns menores de idade, da região de Jerusalém e de um assentamento judaico próximo.

O corpo queimado de Abu Khudair foi descoberto em uma floresta em Jerusalém na quarta-feira. Palestinos acreditam que ele foi vítima de judeus de extrema direita, para vingar o sequestro e assassinato dos três jovens israelenses, que desapareceram quando pediam carona na Cisjordânia ocupada, no dia 12 de junho, e cujos corpos foram encontrados na última segunda-feira.

Israel culpa o movimento palestino islamista Hamas, pela morte de Naftali Fraenkel e Gil-Ad Shaer, ambos de 16 anos, e EYal Yifrah, de 19 anos. O atrito em Gaza começou em meados de junho, durante a busca pelos adolescentes, na Cisjordânia, quando Israel prendeu alguns membros do Hamas.

O Hamas não confirmou nem negou o envolvimento com a morte dos israelenses.

Netanyahu, falando durante uma visita à família Fraenkel, exigiu que os líderes palestinos façam tudo para encontrar os assassinos dos jovens israelenses.

Ele disse  que o autogoverno palestino na Cisjordânia era "obrigado a fazer de tudo ao seu alcance para encontrá-los... assim como, as nossas forças de segurança localizaram os suspeitos do assassinato de Mohammed Abu Khudair, em questão de dias."

(Por Jeffrey Heller)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters