Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Separatistas pró-Rússia caminham em Rozsypne, perto do local da queda de uma avião da Malásia. 04/08/2014 REUTERS/Sergei Karpukhin

(reuters_tickers)

Por Richard Balmforth

KIEV (Reuters) - Separatistas pró-Moscou abriram fogo contra soldados ucranianos desarmados nesta terça-feira enquanto estes voltavam para seu país partindo da Rússia, onde haviam se abrigado dos combates, disseram autoridades de defesa de Kiev.

A Ucrânia admitiu, na segunda-feira, que 311 soldados e guardas de fronteira foram forçados pelos embates com os rebeldes a entrar em território russo, e que destruíram suas armas antes de cruzar a fronteira, mas os rebeldes afirmaram que as tropas as abandonaram, permitindo-lhes retomá-las.

“Hoje (terça-feira), perto das 6h da manhã, combatentes (separatistas) dispararam traiçoeiramente em uma coluna com 195 tropas ucranianas desarmadas voltando da Federação Russa”, afirmou Andriy Lysenko, porta-voz do conselho de defesa nacional, à agência de notícias Interfax.

Ele não tinha informações sobre eventual número de baixas.

Tropas do governo enfrentam os rebeldes desde abril no leste da Ucrânia, onde a maioria da população fala russo, num confronto que, segundo o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, já deixou mais de 1.100 mortos, incluindo forças governamentais, rebeldes e civis.

Combatentes da Ucrânia realizaram ataques aéreos na noite de segunda-feira, destruindo concentrações de rebeldes e equipamento militar, relatou o centro de informações militares de Kiev, sem dar detalhes ou estimativas de baixas.

No momento em que as forças ucranianas recuperam territórios dos separatistas, a Rússia anunciou na segunda a realização de exercícios militares perto da longa fronteira em comum. Mais de 100 aeronaves, incluindo caças e bombardeiros, participarão das manobras desta semana.

O Ministério das Relações Exteriores ucraniano repudiou o gesto russo nesta terça-feira e acusou Moscou de continuar a armar os rebeldes.

“Exigimos categoricamente que o lado russo ponha um fim rápido a tais atos criminosos e retire suas tropas da fronteira com a Ucrânia", afirmou o ministério em comunicado.

Autoridades de segurança ucranianas disseram que os separatistas estão contra-atacando para romper o cerco cada vez mais apertado em torno de suas posições, enquanto tropas da Ucrânia continuavam a ser bombardeadas com disparos de morteiros e artilharia partindo do território russo.

(Reportagem adicional de Pavel Polityuk)

Reuters