Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Garota palestina carrega seus pertences ao sair de uma escola gerida pela ONU, que abrigava palestinos desabrigados pela ofensiva terrestre israelense, em Jebalya, na Faixa de Gaza. 30/07/2014. REUTERS/Mohammed Salem

(reuters_tickers)

Por Nidal al-Mughrabi e Noah Browning

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - A agência que representa a Organização das Nações Unidas em Gaza está em dificuldades para lidar com uma avalanche de quase 250 mil refugiados que repetidamente estão sob fogo israelense.

Sem dinheiro, a principal agência da ONU na Palestina, a Unrwa, diz que mal consegue lidar com a crise humanitária desencadeada por mais de três semanas de combates entre militantes islâmicos e Israel. Ao explicar, para uma estação árabe de notícias, a escala de civis sofrendo, um porta-voz da Unrwa simplesmente começou a chorar.

“Há vezes em que lágrimas são mais eloquentes do que as palavras. As minhas lágrimas não são nada se comparadas com as de Gaza”, disse Chirs Gunness.

“A Unrwa está sobrecarregada em Gaza. Atingimos o ponto do limite; nosso pessoal está sendo morto, nossos abrigos, superlotados”, disse ele.

Na quarta-feira, forças israelenses dispararam artilharia contra uma escola que abrigava mais de 3 mil pessoas, matando pelo menos 15 delas, incluindo quatro crianças, segundo o Ministério da Saúde de Gaza.

Autoridades de Gaza dizem que pelo menos 1.372 palestinos, a maioria deles civis, foram mortos na região, enquanto 56 soldados de Israel perderam a vida em confrontos em Gaza, com mais de 400 feridos. Três civis foram mortos por ataques de foguetes palestinos contra Israel.

Mesmo em tempos de paz, a ONU estava com dificuldades para fornecer auxílio alimentar a milhões de moradores de Gaza.

A Unrwa fez um apelo urgente por 187 milhões de dólares nesta quinta-feira para comprar camas e suprimentos básicos.

Reuters