Navigation

Taliban mata seis removedores de minas terrestres no Afeganistão

Este conteúdo foi publicado em 10. julho 2014 - 13:43

CABUL (Reuters) - O Taliban matou seis trabalhadores de uma companhia de remoção de minas terrestres no oeste do Afeganistão, disse a polícia nesta quinta-feira, um dia após a Organização das Nações Unidas (ONU) ter dito que o número de baixas civis no país saltou em 25 por cento no primeiro semestre de 2014.

“O Taliban matou seis removedores de minas da organização de remoção de minas terrestres Halo Trust, enquanto eles estava em operação no distrito de Kohsan, em Herat. Eles sequestraram três pessoas”, disse Abdul Rauf Ahmadi, um porta-voz do chefe da polícia local.

“Os removedores de minas iniciaram sua viagem no começo da manhã e não informaram a polícia”, disse Ahmadi, acrescentando que uma busca estava em andamento para resgatar os três sequestrados.

A ONU documentou 4.853 vítimas civis no Afeganistão, incluindo 1.564 mortos e 3.289 feridos, no período de 1o de janeiro a 30 de junho.

Na província de Zabul, sul do país, quatro policiais foram mortos por três de seus colegas durante a noite. Um policial trocou de lado e desertou para o Taliban com armas e um veículo da polícia.

“O incidente aconteceu no distrito de Jaldak, em Zabul. Uma investigação está em andamento”, disse o vice-governador de Zabul, Mohammad Jan Rasoulyar, à Reuters.

O Taliban reivindicou a responsabilidade pelo ataque de Zabul.

Também nesta quinta-feira, militantes talibans entraram em uma casa de Zabul, no distrito de Shahjoi, e mataram uma mulher, acusando-a de cooperar com o governo, disse a polícia.

(Por Jalil Ahmad Rezaee)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.