Navigation

Quase 6% dos pacientes contraem infecção hospitalar

O estudo descobriu que as infecções ocorrem mais frequentemente nos grandes hospitais do que nos pequenos e médios Keystone

Cerca de 5,9% dos pacientes tratados em hospitais suíços adoecem com uma infecção, revelou um estudo realizado em 96 hospitais do país. Com essa taxa de infecção, a Suíça está dentro da média europeia.

Este conteúdo foi publicado em 06. fevereiro 2018 - 10:30
SDA-ATS

O estudo, liderado pelo grupo de especialistas SwissnosoLink externo com o apoio do Departamento Federal de Saúde Pública (OFSP, na sigla em francês), foi divulgado na segunda-feira. Ele revela que as infecções ocorrem mais frequentemente nos grandes hospitais do que nos pequenos e médios. Os motivos citados para isso são que as instituições de saúde pública maiores geralmente tratam mais dos pacientes severamente doentes e realizam procedimentos mais arriscados.

+ Cinco procedimentos clínicos a evitar

As descobertas são quase idênticas às medidas europeias mais recentes, que remontam a 2011/2012, que consideraram que a taxa de infecção era de 6%.

As infecções mais comuns são infecções do sítio cirúrgico (29%), seguidas de infecções do trato respiratório inferior (18%). Outras infecções frequentes incluem as do trato urinário (15%) e circulação sanguínea (13%). Os pacientes mais idosos e os tratados em unidades de terapia intensiva tendem a contrair mais infecções.

De acordo com o OFSP, 96 hospitais suíços participaram do estudo. Eles coletaram dados de 13.000 pacientes em um único dia entre junho e agosto de 2017.

Os resultados do estudo refletem a situação atual em relação às infecções hospitalares e ao uso de agentes antimicrobianos a nível nacional. De acordo com seus autores, os dados permitirão aos hospitais analisar seus próprios resultados e tomar as medidas necessárias.

O departamento de saúde pública diz colaborar com os cantões suíços, hospitais e lares de idosos para melhorar os padrões de higiene nas cidades, fortalecer as medidas preventivas e investir em educação e pesquisa.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.