O relógio de 31 milhões de dólares e outros recordes mundiais de preços da Suíça

O Grandmaster Chime da Patek Philippe vem com um mostrador reversível, que pode ser visto aqui Christie's

Uma barra de chocolate que custa 640 francos ($645) pode ser um sinal do fim da civilização ou de uma economia de mercado saudável. Seja qual for a sua opinião, a Suíça detém vários recordes mundiais no que diz respeito a produtos caros.

Este conteúdo foi publicado em 21. novembro 2019 - 15:30
swissinfo.ch


Relógio

End of insertion

"Quando o martelo bateu em 31 milhões de dólares (30,6 milhões de francos suíços), o público levantou, explodindo em aplausos estrondosos", disse o Financial Times na segunda-feira passada, quando um recorde mundial foi estabelecido em Genebra pelo preço mais alto pago por um relógio em um leilão. 

O Grandmaster Chime foi lançado em uma série limitada para celebrar o 175º aniversário do relojoeiro suíço Patek Philippe em 2014 e custava cerca de 2,5 milhões de francos. O exemplar vendido em 11 de novembro é o único feito em aço. Ele apresenta dois mostradores (um na parte de trás), 20 funções especiais e cinco toques diferentes. 

O relógio foi vendido em um evento beneficente no qual os relojoeiros oferecem relógios únicos para arrecadar fundos para a pesquisa da distrofia muscular de Duchenne. 

Chocolate

End of insertion

Uma barra de 80g de chocolate "La Chuorsa", feita pelo chocolatier Attimo de Zurique, custa CHF640 ($645). A 8.000 francos suíços o quilo, esse chocolate foi reconhecido pelo Guiness World Records em 31 de outubro como o chocolate mais caro do mundo.

Uma barra de chocolate 'La Chuorsa' Attimo

Os ingredientes incluem açafrão cultivado na cidadezinha suíça de Mund, laranja cristalizada e 68% de chocolate Chuao da Venezuela, que, segundo a Attimo, é de uma qualidade tão alta que "os melhores chocolatiers do mundo devem fazer pedidos com 19 anos de antecedência".

Remédio

End of insertion

Como pode um medicamento custar 2,1 milhões de dólares (CHF2,08 milhões)? Em maio, as autoridades dos EUA aprovaram um tratamento genético da empresa farmacêutica suíça Novartis para tratar uma doença infantil mortal, a atrofia muscular espinhal, tornando-o o medicamento mais caro de todos os tempos. Tem como justificar tal preço? 

Vas Narasimhan, CEO da Novartis, argumentou que os tratamentos genéticos oferecem esperança de cura para doenças genéticas mortais com uma única dose. A alternativa atual para a atrofia muscular espinal é tomada quatro vezes por ano toda a vida, custando $750.000 para o primeiro ano e depois $350.000 por ano, assim aproximadamente $4 milhões por década. 

Não obstante, os críticos levantam muitas questões, inclusive como os medicamentos são cotados, se eles realmente funcionam e a ética da manipulação genética – sem dizer quem vai realmente pagar pelo tratamento.

Carne

End of insertion

A Suíça tem os maiores preços de carne do mundo, de acordo com o Meat Price Index 2017: 142% mais caro do que a média mundial - bem à frente da vice-campeã Noruega (64%). O frango é particularmente caro. 

As razões para esses preços incluem altos custos de produção (salários, energia, fertilizantes, despesas veterinárias, custos de construção, seguros e alimentação animal), bem como o cumprimento de padrões mínimos de bem-estar animal. 

Além disso, os preços são adaptados ao que os consumidores parecem estar dispostos a pagar. De acordo com uma pesquisa de 2016, os suíços estão dispostos a pagar até 27% a mais por carne bovina, de frango ou suína local do que por cortes de carne importados.  

Diversão

End of insertion

Se você está procurando alguma forma barata de se divertir na Suíça, é melhor pensar duas vezes antes de ir para Zurique ou Genebra: as duas cidades suíças são as mais caras do mundo na categoria, de acordo com o Worldwide Cost of Living Survey 2019, publicado em março pela Economist Intelligence Unit (EIU).  

As categorias “recreação e entretenimento” levam em conta o preço de uma televisão, um PC, uma assinatura de um jornal ou revista, o preço das entradas de cinemas e teatros, os restaurantes, enfim, o custo para dar uma saidinha com a família.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo