Navigation

Turistas suíços preferem relaxar em casa

Os suíços estão permanecendo cada vez mais dentro da Suíça durante suas férias, com os cantões do Ticino e dos Grisões sendo vistos como particularmente atraentes. Países islâmicos como o Egito, a Turquia e os Emirados Árabes Unidos estão perdendo seu apelo.

Este conteúdo foi publicado em 16. abril 2019 - 13:30
Um programa legal: nadar no rio Verzasca, no cantão do Ticino Keystone

A onda de calor e o clima agradável no verão passado fizeram com que muitas pessoas decidissem relaxar em casa, de acordo com o barômetro de viagem TCS 2019Link externo, publicado pelo Touring Club da Suíça.

O Ticino e os Grisões, no sul e leste da Suíça, lideraram o ranking de atração, seguido pela Itália, que passou por pouco o cantão do Valais, na região sudoeste.

Estes destinos foram seguidos por Espanha, Portugal, Alemanha, Áustria e França. Depois vieram destinos não europeus, Austrália e Nova Zelândia, Caribe, Estados Unidos, Tailândia e África do Sul.

Os países islâmicos foram menos atraentes do que em anos anteriores para os turistas suíços, que, no entanto, disseram que tinham menos medo de atos terroristas e relataram uma sensação geral de segurança.

Dito isso, eventos políticos como os protestos dos “coletes amarelos” na França e a situação tensa na África do Sul influenciaram as escolhas dos turistas. Esses dois países desceram na lista.

Enquanto 46% dos entrevistados disseram que viajar era parte central de suas vidas, 27% disseram que viajar era um luxo que eles mal podiam pagar.

Informação online

A internet desempenha um papel crescente no planejamento das férias, constatou o estudo, com 78% dos entrevistados dizendo que fizeram uso de informações online sobre turismo ou segurança, contra 71% no ano passado.

Quase 60% planejaram seu itinerário com base nos comentários feitos nas plataformas de reservas.

A pesquisa representativa foi realizada pelo instituto gfs.bern entre 21 de janeiro e 11 de fevereiro. Mil pessoas com mais de 18 anos foram interrogadas por telefone.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.