AFP

O avião Solar Impulse 2 poucos minutos depois de decolar do aeroporto de Nagoya, Japão

(afp_tickers)

O avião Solar Impulse 2 estava nesta quarta-feira quase no meio do caminho entre Japão e Havaí, após mais de dois dias e duas noites de voo sobre o oceano Pacífico.

Com mais de 50 horas a bordo do avião solitário, o piloto André Borschberg já conseguiu uma façanha inédita, embora ainda deva parmanecer quase 60 horas a mais em sua cabine.

"É a primeira vez que iniciamos um terceiro dia de voo se interrupção, com um novo ciclo de recarga de baterias solares", comemorou Bertrand Piccard, o outro piloto da aeronave.

"Este momento fascinante mostra que um avião pode voar sem interrupção produzindo sua própria energia", acrescentou.

André Borschberg contou que estava "em excelente forma". "A noite foi difícil, mas fantástica", informou o piloto de 62 anos.

Às 20h (de Brasília), o piloto havia percorrido 3.700 quilômetros desde sua decolagem de Nagoia (centro do Japão) na segunda-feira. Atualmente, voava a uma altitude de 3.300 metros.

O próximo desafio da aeronave é atravessar uma frente fria em sua travessia oceânica de 7.900 quilômetros.

O Solar Impulse 2 começou sua jornada em 9 de março em Abu Dhabi rumo a uma turnê mundial de 35 mil quilômetros - uma aventura para promover o uso de energias renováveis, especialmente da energia solar.

AFP

 AFP