Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Estabelecendo limites Padres suíços poderão ter aula de educação sexual

A maior instância da Igreja Católica na Suíça planeja introduzir cursos de educação sexual para seus representantes.

sex education blackboard

Pelo menos 250 casos de assédio sexual dentro da Igreja Católica na Suíça foram relatados desde 2010, de acordo com relatos da mídia

(Keystone)

A Conferência dos Bispos da Suíça está tomando essa medida em uma tentativa de evitar o abuso sexual, noticiaram os jornais suíços SonntagsZeiting e Le Matin Dimanche.

Giorgio Prestele, presidente de um grupo de especialistas comissionado pelos bispos, prevê ir mais longe.

"Eu também posso imaginar que padres e teólogos leigos passem por uma avaliação antes de serem ordenados para medir como eles lidam com o assunto de sua própria sexualidade", disse.

A questão da prevenção do abuso sexual foi abordada pela Conferência dos Bispos da Suíça em uma reunião que começou na segunda-feira (3) na cidade de St. Gallen, no nordeste do país.

Outro ponto discutido é a adoção da obrigatoriedade de relatar mais rigorosamente os casos.

Os especialistas consultados pelo órgão católico recomendam que as diretrizes existentes sejam emendadas para que uma queixa ao judiciário seja obrigatória no primeiro sinal de infração.

Até o momento, esta obrigação foi claramente formulada para casos relativos a vítimas menores de idade. A igreja tem mais margem de manobra quando as vítimas são adultas.

A Igreja Católica Romana - incluindo o Papa Francisco - foi acusada de cobrir abusos nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Irlanda, Chile, Austrália, Alemanha e França durante décadas.

Padre pedófilo e sua vítima falam abertamente

Daniel Pittet foi abusado sexualmente por um padre católico quando era criança. Um livro conta agora a sua história, e o prefácio foi escrito pelo próprio Papa Francisco. (SRF/swissinfo.ch) Daniel Pittet tinha nove anos quando começou a ser abusado sexualmente por um padre católico durante um período de quatro anos. Ele conta todo seu sofrimento no livro "Mon Père, je vous pardonne" ("Padre, eu te perdoo"). No prefácio do livro, o Papa Francisco escreve que tais agressões são abomináveis e um crime terrível. Pittet espera que o prefácio papal dê esperança a outras vítimas como ele. A vítima, agora com 57 anos de idade, diz que perdoou seu agressor. Em janeiro, uma comissão foi criada por ordem dos bispos suíços para avaliar pedidos de compensação financeira para vítimas de abuso sexual dentro da igreja católica.


swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.