Navigation

Ex-assesores do presidente do Peru deixam a prisão, mas enfrentarão acusações

(Arquivo) O presidente do Peru, Martín Vizcarra afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 09. outubro 2020 - 22:51
(AFP)

Um tribunal peruano libertou vários ex-funcionários e um cantor presos por um escândalo que quase tirou o cargo do presidente Martín Vizcarra. O Ministério Público, por sua vez, ainda apresentará acusações contra alguns deles.

"A Primeira Câmara de Recursos Criminais de Lima revoga a prisão preliminar de Miriam Morales, Karem Roca, Richard Cisneros e outros, e prevê sua liberdade imediata", anunciou o órgão no Twitter.

Morales, Roca e Oscar Vásquez faziam parte do entorno mais próximo ao presidente Vizcarra. Eles foram presos há uma semana junto com o cantor Richard Cisneros e cinco outras autoridades por causa de alguns áudios em que o presidente pede para que dois colaboradores mintam.

Após ter sido libertado na noite da quinta-feira, a promotora anticorrupção Jenny Sánchez-Porturas pediu nove meses de prisão preventiva contra Morales, Vásquez, Cisneros e Liliana Chanamé Castillo, ex-diretora de Recursos Humanos do Ministério da Cultura.

Cisneros, um cantor pouco conhecido que se apresenta como "Richard Swing", ganhou destaque em maio quando a imprensa descobriu que - em meio à pandemia - o Ministério da Cultura o contratou como palestrante.

O Congresso então abriu uma investigação sobre os contratos, pelos quais Cisneros recebeu cerca de US$ 50.000.

Há quase um mês foram apresentados no Parlamento alguns áudios nos quais Vizcarra, ao encontrar-se com Roca e Morales, pedia-lhes que mentissem sobre a quantidade de vezes que o cantor compareceu ao Palácio do Governo.

A divulgação dos áudios levou a um julgamento de impeachment pelo Congresso no último 18 de setembro, no qual Vizcarra não foi retirado do cargo por não reunir votos suficientes na sessão para removê-lo do poder.

Vizcarra, que demitiu esses assessores pouco antes do julgamento de impeachment, negou ter cometido qualquer ação ilegal no caso. O presidente peruano acrescentou que Roca, um assistente do gabinete presidencial, traiu sua confiança ao gravar suas conversas.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.