Navigation

López Obrador descarta confronto após ameaça de Trump ao México

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, antes do jantar de trabalho na Casa Branca, em 8 de julho de 2020, em Washington, D.C. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. setembro 2020 - 14:36
(AFP)

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse nesta quinta-feira (17) que a ameaça de seu colega americano, Donald Trump, de penalizar o México se não fizer mais no combate às drogas "é um ponto de vista que se respeita".

"Temos uma relação muito boa com o governo dos Estados Unidos e não vamos cair em nenhum confronto", disse o presidente em sua habitual coletiva de imprensa matutina.

No dia anterior, Trump disse em um memorando publicado pela Casa Branca que, a menos que o governo mexicano demonstre um progresso substancial no combate ao narcotráfico, "correrá um grave risco de que se conclua que não demonstrou conformidade com seus compromissos de controle às drogas".

Em resposta, López Obrador afirmou que o memorando é um relatório apresentado todos os anos e que tem coisas boas e coisas que seu governo não aceita, embora não tenha detalhado com quais partes descorda.

O presidente mexicano disse que a chancelaria mexicana se pronunciaria mais tarde a respeito, embora tenha recomendado ao chanceler Marcelo Ebrard "amor e paz".

López Obrador lembrou também que é cauteloso por conta das eleições nos Estados Unidos, nas quais Trump disputa a reeleição contra o democrata Joe Biden. "Falta pouco tempo e a declaração não merece uma resposta dura ou enérgica", disse.

Trump já havia alertado o governo de López Obrador em 2019 que considerava descertificar o México em sua luta contra as drogas, o que implica o fim da assistência financeira e do apoio de Washington em organismos internacionais.

O México é a fonte de quase toda a heroína e metanfetamina apreendida nos Estados Unidos e uma rota de trânsito para a maior parte da cocaína disponível no país, segundo agências americanas.

López Obrador descartou o confronto com Trump durante seu governo. Sua primeira viagem ao exterior, inclusive, foi para os Estados Unidos para encontrar-se com ele.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.