O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, saiu em defesa nesta sexta-feira de seu ministro Tareck El Aissami, ao apontar que os Estados Unidos e "traidores" pretendem envolvê-lo com o movimento xiita libanês Hezbollah.

Durante um ato que contou com a presença de El Aissami, ministro da Indústria, Maduro disse que o governo dos Estados Unidos "ataca" o ministro "porque ele é filho de um casal árabe (...), de uma família que está dividida entre a Síria e o Líbano".

"Querem vinculá-lo ao Hezbollah, eu conheço bem Tareck, conheço ele muito bem, nunca em sua vida teve contato com ninguém do Hezbollah", afirmou o mandatário socialista, ressaltando que o movimento libanês é um partido político legal.

Em fevereiro de 2017, El Aissami, de 44 anos e ex-vice-presidente do país, foi incluído pelos Estados Unidos em sua lista de narcotraficantes.

Aliado do Irã, o Hezbollah se encontra na lista de "organizações terroristas" dos Estados Unidos, que por sua vez lidera a pressão internacional para tirar Maduro do poder e para que seja substituído pelo líder parlamentar Juan Guaidó.

No início de fevereiro passado, duas semanas depois de que Guaidó se declarou presidente interino após considerar uma "fraude" a reeleição de Maduro, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, afirmou que o Hezbollah estava ativo na Venezuela.

Essa denúncia foi ratificada no fim de junho pelo ex-chefe do serviço de inteligência venezuelano, o general Cristopher Figuera, que fugiu para os Estados Unidos após participar de uma fracassada insurreição militar, liderada por Guaidó, no último 30 de abril.

"Todos os dias o Departamento de Estado e os traidores que foram para lá para se pôr a serviço do império gringo o atacam porque é um homem corajoso, que não tem preço, é um verdadeiro patriota, revolucionário", afirmou Maduro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.