Navigation

O desemprego urbano na Colômbia sobe para 24,9% em junho devido ao efeito da pandemia

Profissionais de saúde e parentes de pacientes assistem a uma apresentação de múscia em frente a um hospital em Medellín, Colômbia, em 30 de julho de 2020, em meio à pandemia de COVID-19. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. julho 2020 - 16:39
(AFP)

A Colômbia registrou desemprego urbano de 24,9% em junho, em comparação a 10,7% no mesmo mês do ano passado, o que mostra a forte deterioração das atividades como resultado da pandemia, segundo dados oficiais divulgados nesta quinta-feira (30).

Assim, o desemprego anual aumentou 14,2 pontos percentuais, afirmou o Departamento Administrativo Nacional de Estatística (DANE).

O indicador, que também avançou em relação a maio, quando estava em 24,5%, reflete a pior queda no mercado de trabalho desde 2001, quando as medições começaram com a metodologia atual.

Essa taxa registra o comportamento do emprego nas 13 grandes cidades e áreas metropolitanas, onde se concentra o maior número de empregos, e serve como referência para o mercado.

A informalidade atingiu 45,3% em junho nessas áreas, disse o DANE.

Nacionalmente, a taxa de desemprego era de 19,8%, frente a 9,4% em junho de 2019.

"A população empregada em junho de 2020, em todo o país, era de 18,3 milhões de pessoas. No mesmo mês de 2019, esta população era de 22,6 milhões de pessoas, refletindo uma redução de 4,3 milhões ocupadas", disse a agência em nota.

Em maio, porém, o desemprego no país atingiu 21,4%.

Entre os setores mais atingidos estão atividades artísticas, entretenimento, recreação e outros serviços.

O economista Luis Fernando Mejía, diretor da Fundação para o Ensino Superior e Desenvolvimento (Fedesarrollo), enfatizou o aumento "preocupante" da "desigualdade de gênero" no acesso ao emprego, em uma transmissão de vídeo no Twitter.

Segundo o DANE, em junho a taxa de desemprego para mulheres no país era de 24,9%, enquanto dos homens era de 16,2%, contra 12,3% e 7,3%, respectivamente, no mesmo período de 2019.

Para 2020, o governo de Iván Duque prevê um dos "piores" desempenhos econômicos da história devido à paralisação provocada pela pandemia e à queda nos preços do petróleo.

O presidente estendeu as medidas de contenção na terça-feira "até 30 de agosto", após a propagação de infecções que já deixam mais de 9.400 mortos em quase cinco meses.

As restrições, que entraram em vigor em 25 de março e deveriam ser levantadas em 1º de agosto, permitiram várias exceções devido ao colapso da economia.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.