Navigation

Peru importará oxigênio para pacientes com COVID-19

O oxigênio se tornou um produto em falta no Peru devido à pandemia afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. junho 2020 - 19:03
(AFP)

O Peru decidiu importar oxigênio para uso medicinal para pacientes hospitalizados pelo novo coronavírus devido à escassez existente e o declarará "um ativo estratégico" devido ao tamanho da pandemia no país, informou o Ministério da Saúde nesta quinta-feira.

"Vamos fazer compras e importações significativas para resolver a escassez", afirmou o ministro da Saúde, Víctor Zamora, à emissora de televisão estatal TV Peru.

Zamora observou que o país está "no máximo da produção privada nacional e já distribuímos nas regiões onde há uma crise de oxigênio".

Segundo fontes do Ministério da Saúde, o Peru enfrenta um déficit de até 8.000 balões de oxigênio medicinal e houve um aumento especulativo nos preços do produto.

"No caso do oxigênio, estamos diante de uma demanda extraordinária, analisamos se há abuso da posição dominante (das empresas privadas) e dos 'mercados negros' que estão em desenvolvimento", disse a ministra da Economia, María Antonieta Alva, em uma teleconferência com a imprensa estrangeira credenciada no Peru.

Diante da crise, o governo emitirá um decreto declarando "o oxigênio como um ativo estratégico, para que os cuidados estatais possam ser priorizados e a produção industrial possa ser usada para fins medicinais", acrescentou a ministra.

O oxigênio é um elemento vital para pacientes com COVID-19, doença que ataca o sistema respiratório.

Filas de pessoas com tanques de oxigênio vazios na frente de fábricas de recarga tornaram-se imagens duras do dia a dia no país.

O Peru, com 33 milhões de habitantes e o segundo país da América Latina em número de casos de COVID-19 depois do Brasil, registra mais de 178.000 casos confirmados e mais de 4.800 mortes até 2 de junho, segundo dados oficiais.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.