Senado adota solução "Eurocompatível"

O Senado suíço renunciou a introduzir cotas para limitar a imigração. Sua solução, considerada compatível com a livre circulação de pessoas, pretende que seja dada preferência a quem mora na Suíça na hora de empregar alguém.

swissinfo.ch
O senado optou por uma solução para "frear a imigração em massa", enquanto tenta preservar as relações da Suíça com a União Europeia Keystone

Com isso, as empresas devem implementar a iniciativa sobre a imigração em massa, adoptada em 9 de fevereiro de 2014. Os empregadores que desejam recrutar no exterior terão antes que procurar os trabalhadores desempregados que residem na Suíça e justificar qualquer recusa.

Os senadores optaram por uma preferência nacional e renunciaram a introduzir cotas ou limites máximos, favorecendo uma solução que respeite o acordo sobre a livre circulação de pessoas (ALCP).

Apenas o Partido do Povo Suíço (SVP, na sigla em alemão), que lançou a iniciativa sobre a imigração em massa, manteve sua posição e votou a favor de uma aplicação literal do texto. "Não é a União Europeia ou os cidadãos europeus que devem decidir quem tem o direito de vir para a Suíça, são os suíços que decidem quem pode ser nosso hóspede", insistiu o senador Peter Föhn, exigindo que fosse respeitado o voto popular.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo