Navigation

O legado de Balenciaga tem um pé na suíça

Cristóbal Balenciaga (de óculos), Coco Chanel e Ramón Esparza (companheiro de Balenciaga) no restaurante Kronenhalle, Zurique, no final dos anos 60. Courtesy of Karin Giger, Michael Wissing publishing

Cinquenta anos após sua morte, em 23 de março de 1972, a contribuição de Cristóbal Balenciaga para a história da moda é mais forte do que nunca. Foi na Suíça que seus designs foram elevados a uma forma de arte - status que a marca carrega até hoje.

Este conteúdo foi publicado em 22. abril 2022
Lupe Calvo Elizazu (Texto), Helen James (Edição de Imagens)

Cristóbal Balenciaga, o estilista espanhol que morreu há 50 anos, foi contemporâneo de alguns dos criadores mais influentes do mundo da moda, como Coco Chanel e Christian Dior. Seus colegas o chamavam de “O Mestre” da alta-costura.

Seu legado mais importante é provavelmente a junção de moda com arte. Suas peças são continuamente exibidas como arte em museus, incluindo o Cristóbal Balenciaga Museoa em Getaria, uma vila basca na Espanha onde o designer nasceu em 1895.

A marca de moda Balenciaga, fundada pelo estilista em 1917, viveu uma vida de reviravoltas. Por causa da Guerra Civil Espanhola, mudou-se para Paris em 1937; em 1969 Cristóbal Balenciaga decidiu fechar a loja, pouco antes de sua morte em 1972. Foi reaberta em 1986, sob nova direção e hoje pertence ao grupo de luxo Kering. A marca, que está sob a direção criativa da georgiana Demna Gvasalia desde 2015, segue associada a designs arrojados.

Convite para a exposição Bellerive em Zurique. courtesy of ZHdK

Alta costura entra no museu

Um fato menos conhecido sobre a marca de moda é sua conexão suíça. Foi na Suíça que a alta costura se tornou arte, graças a um desfile dedicado ao estilista espanhol em 1970 no Museu Bellerive, em Zurique. Esta foi a primeira vez que as peças do estilista foram exibidas em um museu, três anos antes da exposição inovadora do Metropolitan Museum, a famosa The World of Balenciaga.

O Museu Bellerive tinha acabado de abrir suas portas em novembro de 1968 e buscava maneiras de causar impacto no cenário cultural. Em paralelo, Verena Bischofberger, então diretora do curso de design de moda da escola de artes aplicadas de Zurique, se interessou pelo estilista espanhol.

Com peças doadas por Grace Kelly, Hubert de Givenchy e Bunny Mellon, o Museu Balenciaga possui uma das coleções mais completas do mundo do costureiro. J. M. Pemán

Quando a notícia de que Balenciaga queria fechar sua loja e se aposentar se espalhou, Bischofberger decidiu comprar uma série de roupas da casa de moda Balenciaga e iniciar uma coleção para a escola.

Graças à sua técnica e conhecimento de tecidos, Balenciaga levou ao extremo seu conceito de funcionalidade. Nos anos 60, suas coleções eram funcionais e sóbrias. Os botões são o único embelezamento destes casacos. Oscar Gonzalez/nurphoto

Ela entrou em contato com Gustav ZumstegLink externo, proprietário da empresa têxtil Abraham, colecionador de arte e amigo íntimo do costureiro. Uma reunião foi marcada em Zurique em setembro de 1968, seguida de uma viagem à sede da Balenciaga em Paris, onde Bischofberger fez sua seleção de roupas para a exposição Bellerive.

Em maio de 1970, o Museu Bellerive inaugurou a mostra Balenciaga: Ein Meister der Haute Couture (Balenciaga: um mestre da alta costura), a única exposição de arte de suas obras organizada em vida. A retrospectiva exibiu as roupas que a escola comprou ao lado de empréstimos de Balenciaga e dois de seus clientes.

O desfile de Zurique, com a presença de mais de 10.000 pessoas, foi um marco nas exposições de moda  e muitas de suas peças foram posteriormente solicitadas pelo Metropolitan.

Seda Suíça

A indústria têxtil é uma das mais antigas da Suíça. Na segunda metade do século 19, Zurique era o segundo maior produtor de seda do mundo, mais famoso por seu tafetá preto.

Balenciaga estabeleceu o preto como sinônimo de elegância e estilo. Este vestido em gazar de seda combina três características do Balenciaga: simplicidade, gazar (um tecido criado para ele pela Empresa Abraham) e seu gosto pelo preto. ©Museo Cristóbal Balenciaga/Outumuro

Balenciaga usou sedas suíças da Abraham Company em seus projetos. A Abraham AG (Abraham Ltd) foi fundada em 1878 e, em 1943, Gustav Zumsteg ingressou como sócio.

Sob seu comando, Abraham AG tornou-se presença constante na cena da alta costura parisiense. Em seu auge na década de 1960, a empresa fornecia tecidos para costureiros como Dior, Givenchy e Ungaro, e principalmente Yves Saint Laurent e Balenciaga.

Em Paris, além de circular no mundo da alta costura, Zumsteg entrou em contato com artistas como Matisse, Braque, Chagall e Miró, e adquiriu uma coleção de mestres modernistas. Algumas dessas obras ainda decoram as paredes do famoso restaurante Kronenhalle, em Zurique, que pertenceu à sua mãe.

Um vestido de noiva de gazar marfim de 1967. Museo Cristóbal Balenciaga/Outumuro

A relação entre Balenciaga e a empresa suíça Abraham AG começou na década de 1940, a partir da busca de um material que permitisse à Balenciaga desenvolver formas cada vez mais puras e abstratas.

“Balenciaga expressou seus ideais estéticos para Zumsteg, nos quais elegância, conforto, requinte e abstração eram essenciais”, diz Igor Uria, Diretor de Coleções do Museu Balenciaga. Em 1957, a Abraham Company criou para Balenciaga o gazar: um material de seda rígido que o costureiro usava em seus vestidos de coquetel, noite e casamento.

Para o casamento da futura rainha da Bélgica, desenhou um vestido em cetim de seda de Abraão. Segundo Uria, o gazar “permitiu-lhe captar a elegância e a abstração do corpo feminino num minimalismo conceitual e estético”.

Fabiola de Mora y Aragón usou o vestido de cetim marfim de Balenciaga em seu casamento com o rei Baldwin da Bélgica, em 15 de dezembro de 1960. Afp

O 'triunfo da simplicidade'

O alfaiate treinado desenvolveu silenciosamente suas ideias por quase duas décadas na região basca - longe dos holofotes de Paris, mas muito próximo da burguesia e nobreza europeias que passavam suas férias em San Sebastián. A realeza espanhola estava entre seus clientes.

Em 1937, abriu uma loja em Paris e a primeira coleção que apresentou na capital mundial da moda surpreendeu a indústria da alta costura. Seu estilo inovador eliminou qualquer indício de supérfluo, concentrando-se na simplicidade e pureza da linha. Seus designs também foram revolucionários na forma como remodelaram as características da silhueta feminina.

A casa de alta costura de Balenciaga tinha três departamentos, um dos quais era o departamento de chapelaria. Seus chapéus são baseados em formas simples, mas inovadoras, como esta criação do início dos anos 50. Alamy Stock Photo

“Enquanto Christian Dior cativou com o New Look, Balenciaga optou por linhas fluidas, costas curvas e volumes que desafiavam todas as convenções da época”, disse Uria à SWI swissinfo.ch.

A mudança de Balenciaga na representação da figura feminina foi festejada pela imprensa especializada. Carmel Snow, então editor da revista americana Harper's Bazaar, escreveu em 1953 que Balenciaga representava “o triunfo da simplicidade”.

De 1937 a 1968 foi referência da alta costura em Paris. Renovou continuamente proporções e formas, inspirado nas pinturas clássicas espanholas e nas suas origens bascas. Ele buscou novos tecidos e refinou continuamente suas silhuetas minimalistas até que, no final da década de 1960, alcançou o que chamou de nível máximo de simplificação.

Em 1962 apresentou o vestido sari de uma costura, invenção que levaria à criação do seu vestido de noiva de 1967 em gazar de seda, também com uma costura. Ainda muito moderno hoje, é considerado o vestido de noiva mais engenhoso da história da moda nupcial.

A formação de alfaiate de Balenciaga moldou sua ideia de alta-costura, baseada na perfeição do corte e nas qualidades de cada tecido. Christian Dior disse uma vez que “nós fazemos o que podemos com tecidos. Balenciaga faz o que quer”.

Balenciaga usou uma paleta variada de cores vivas, nunca vistas antes nas passarelas: amarelo, verde, fúcsia, violeta e laranja. Ele também combinou algo que antes parecia impossível: marrom e preto. Ele disse que o preto permitiu que ele se concentrasse no corte, nos volumes e nos tecidos, que enriqueceu com bordados, lantejoulas e miçangas.

A arte espanhola está muito presente na obra de Balenciaga. Este vestido foi inspirado em uma pintura de Joaquín Sorolla (1863-1923). © J. M. Pemán

Conforto em primeiro lugar

Balenciaga lançou as bases para o que estava por vir. Ele simplificou as roupas na medida em que vestir-se tornou-se parte da vida cotidiana - tanto que em meados da década de 1950 muitas roupas podiam ser colocadas e retiradas pela cabeça.

Primeiro vieram os ombros caídos, depois os babados. E, em seguida, os ternos meio ajustados, ternos de marinheiro, túnicas, vestidos de saco, mangas três quartos, golas de jaqueta cada vez menores e vestidos sem cintura (conhecidos como vestidos baby-doll). Todas as suas contribuições promoveram conforto e ainda estão na moda hoje.

Ele apresentou sua última coleção pouco antes de maio de 1968. Nesse mesmo ano, ele criou sua única obra "industrial" quando a Air France o encarregou de desenhar os uniformes para suas aeromoças. Foi um desafio para quem nunca trabalhou com produção em massa, mas também um sinal dos novos tempos: os primeiros passos da alta costura no mundo do prêt-à-porter.

Aquele não era mais o mundo de Balenciaga. Em 1968, anunciou sua aposentadoria.

Elegância e praticidade: os uniformes das aeromoças da Air France, desenhados por Balenciaga. rue Des Archives/agip

Adaptação: Clarissa Levy
(Edição: Fernando Hirschy)

Artigos citados

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Participe da discussão

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?

Boletim de Notícias
Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.
Quase terminado… Nós precisamos confirmar o seu endereço e-mail. Para finalizar o processo de inscrição, clique por favor no link do e-mail enviado por nós há pouco

Leia nossas mais interessantes reportagens da semana

Assine agora e receba gratuitamente nossas melhores reportagens em sua caixa de correio eletrônico.

A política de privacidade da SRG SSR oferece informações adicionais sobre o processamento de dados.