Navigation

NASA recolhe poeira estelar de cometa

Paul Wild, professor de astronomia da Universidade de Berna e descobridor do cometa Wild-2. RDB

Como previsto, a sonda espacial "Stardust" retornou à Terra domigo, depois de sete anos de viagem. Ela recolheu poeira estelar da cauda do cometa "Wild-2".

Este conteúdo foi publicado em 15. janeiro 2006 - 10:01

O cometa foi batizado com o nome do seu descobridor, o professor de astronomia da Universidade de Berna, Paul Wild.

- Eu via apenas um pequeno ponto branco no canto da fotografia - se lembra Paul Wild nesse dia, em 6 de janeiro de 1978.

O professor de astronomia aposentado da Universidade de Berna e ex-diretor do Instituto Astronômico já havia percebido algo de estranho nas fotos noturnas tiradas do céu. Ele sempre as comparava para identificar possíveis mudanças.

- Em noventa por cento dos casos esses pontos não passavam de problema no filme - conta.

Estrelas abaixo dos cometas

Na realidade ele queria ter controlado as fotos nas noites seguintes, mas o tempo piorou. Os dias se passaram e situação continuou a mesma durante duas semanas, até que chegou a fase de Lua cheia. Então o céu ficou claro demais. A situação ideal só chegou depois de três semanas de espera.

A surpresa para Wild foi descobrir que o ponto branco ainda continuava a aparecer nas fotos, mas com um pequeno deslocamento da sua posição inicial. Assim ele chegou à conclusão que havia descoberto um cometa. Esses corpos celestes são sempre batizados com o nome dos seus descobridores. Para Wild esse não seria nem o primeiro e nem o último, porém "Wild-2" acabaria se tornando famoso.

Missão poeira estelar

O Wild-2 está viajando pelas galáxias. O cometa circula numa órbita distante do sol, tendo se aproximado apenas algumas vezes dele. Isso faz com que sua estrutura original tenha se mantido sem muitas modificações.

Por essa razão a Nasa decidiu enviar uma sonda espacial para melhor pesquisá-lo. A "Stardust" é objeto da primeira missão da agência espacial americana para pesquisa de cometas. Obviamente o astrônomo suíço se sentiu homenageado:

- Eu fiquei muito feliz de saber que a Nasa havia escolhido justamente o meu planeta para uma de suas missões - se alegra Wild.

Aspirador de pó "high-tech"

O astrônomo, que hoje tem 85 anos, conseguiu estar presente no lançamento da sonda "Stardust", ocorrida em 7 de fevereiro de 1999 em Cape Canaveral, nos Estados Unidos.

Sua principal missão foi recolher partículas da cauda do cometa. Elas são tão minúsculas que os engenheiros da Nasa foram obrigados a desenvolver um novo material - o chamado "Aerogel" - capaz de capturar e depositar a poeira celeste sem danificar as partículas. Através da análise delas os pesquisadores esperam descobrir mais sobre a vida dos cometas e, quem sabe, até algo sobre o surgimento do sistema solar.

Sonhos de astronauta

Em 2 de janeiro de 2004 a sonda especial se aproximou do cometa, chegando a ficar apenas 240 quilômetros distante da sua superfície. Ele também conseguiu atravessar a sua cauda e tirou várias fotos do cometa. Elas foram automaticamente enviadas para o comando central na Terra.

- Essas imagens estão muito melhores do que esperávamos - afirma Ray Newburn, da Nasa.

Agora técnicos vão ter de esperar pelo pouso da sonda espacial na Terra para verificar se a captura de poeira celeste funcionou tão bem como o sistema fotográfico.

Objeto veloz

Depois de percorrer 4,6 bilhões de quilômetros em sete anos, a missão "Stardust" chega ao fim. Se não ocorrer nenhum imprevisto, a sonda deve pousar na Terra às 11:12 (horário europeu), no dia 15 de janeiro de 2006, no deserto de Utah. Quem vem não é a própria sonda, mas sim uma cápsula hermeticamente fechada.

Na realidade a sonda deve ejetar a cápsula pouco antes da meia-noite. Ela irá ganhar aos poucos uma velocidade nunca antes alcançada para uma máquina. Em apenas alguns segundos irá entrar na atmosfera terrestre e cair com pára-quedas no meio do deserto.

Além da poeira, ela trará de volta uma carta escrita por Paul Wild. O simbólico papel havia sido colocado dentro da sonda da Wild-2 em 1997.

swissinfo, Antoinette Schwab

Fatos

A sonda espacial "Stardust" deve pousar no domingo (15 de janeiro de 2006) às 11:12 (hora européia) em Utah (EUA).
A sonda foi lançada em 7 de fevereiro de 1999. Em 4 de janeiro de 2004 ela se aproximou do cometa Wild-2, ficando apenas 240 quilômetros de distância. Na ocasião o aparelho captou partículas de poeira da sua cauda.
Ao mesmo tempo, "Stardust" recolheu poeira estelar e fez foto de outros objetos celestes.

End of insertion

Breves

- "Stardust" é a primeira missão da Nasa para pesquisa de cometas.

- A principal missão da sonda espacial: recolher poeira estelar da Wild-2 e trazê-la para a Terra. O cometa foi descoberto pelo professor suíço de astronomia Paul Wild e batizado com o seu nome.

- Os cientistas esperam adquirir informações sobre cometas e o surgimento do Sistema Solar.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?