Por que as estrangeiras trabalham mais do que as suíças?

Na tradicional família suíça, a esposa fica em casa e cuida do lar e dos filhos. Este modelo é difícil de combinar com uma carreira profissional. Keystone / Gaetan Bally © Keystone / Gaetan Bally

O modelo de divisão familiar do trabalho generalizado na Suíça consiste em uma mãe que cuida dos filhos e um marido trabalha em tempo integral. Este modelo coloca as mulheres suíças em uma dupla desvantagem: não apenas em relação aos homens, mas também em relação às estrangeiras.

Este conteúdo foi publicado em 17. agosto 2020 - 08:42

Na Suíça, cada vez mais mulheres trabalham no setor privado. Entretanto, a grande maioria das funcionárias ainda desempenha um papel subordinado. Cerca de 65% de todas as promoções em empresas envolvem funcionários homens, embora muitas mulheres sejam qualificadas.

Estes são os resultados de um estudo do grupo "Advance" e da Universidade de St. Gallen. As análises do "Centro de Competência em Diversidade e Inclusão" sediado naquela universidade também mostram que um maior nível de emprego leva a uma melhor representação em cargos de gestão. O menor nível de emprego das mulheres suíças teria, portanto, um impacto negativo sobre suas oportunidades de carreira.

Mais estrangeiras em cargos de chefia

O "Relatório de Inteligência de Gênero" é publicado anualmente pela organização "Advance" juntamente com o Centro de Competência para Diversidade e Inclusão da Universidade de St. O relatório será publicado pela terceira vez em 2019. Foram avaliados dados de 263.000 funcionários de 55 empresas.

Entre as mulheres, a proporção de mulheres estrangeiras aumenta à medida que o nível de gestão aumenta. Ele sobe de 27% em posições não gerenciais para 39% em posições gerenciais superiores. Além disso, as mulheres estrangeiras são mais propensas a alcançar uma posição executiva.

O caminho mais fácil? Ficar em casa

Segundo os autores do estudo, isto é surpreendente porque o número de mulheres bem qualificadas na Suíça é alto.

Segundo Claudine Esseiva, Presidente da BPW Suíça (Business and Professional Women), os jovens casais antes de ter filhos não se perguntam como devem organizar sua vida cotidiana. Assim, quando são confrontados com o problema, eles escolhem o caminho que lhes parece o menos complicado. Claudine Esseiva explica como ela administra seu papel como mãe e executiva.

Os pesquisadores vêm o modelo tradicional e as ideias estereotipadas de paternidade ou maternidade como a causa do problema. "Em outras culturas é muito mais comum ter crianças cuidadas por terceiros", diz Gudrun Sander, professora da Universidade de St. Gallen.

Crianças aumentam a carga de trabalho

Na Suíça, por outro lado, somente a mãe é geralmente responsável pelo cuidado das crianças. Isto contribuiria para o fato de que são principalmente as mulheres suíças que trabalham em postos mais baixos e, portanto, ficam de fora da corrida pelas promoções.

Para compensar esta situação, as mulheres suíças teriam que aumentar seu nível de emprego. Nas empresas participantes do estudo, este é de 85%, enquanto 5 a 10 pontos percentuais a mais seriam necessários nas estruturas atuais. Por sua vez, as empresas teriam que oferecer modelos de tempo de trabalho mais flexíveis, para que os cuidados familiares possam ser garantidos.

Conteúdo externo

É por isso que os políticos são chamados a agir, diz Anita Eckardt da Dinamarca, que se juntará à gerência da empresa de construção Implenia em setembro. "Devem ser tomadas medidas para ajudar as famílias e facilitar a organização da vida familiar quando ambos os pais estão trabalhando".

swissinfo.ch perguntou as opiniões de várias mulheres e mães de diferentes países que trabalham na Suíça.

Para Gie Santian, uma mãe chinesa de três filhos, responsável pela gestão de risco em um banco suíço, é importante ter uma "disciplina rigorosa".

A engenheira chilena Lorena Ortega, mãe de dois filhos, conta com a família para ajudá-la a equilibrar suas diversas atividades.

Para a japonesa Miho Habel, que fundou a filial de Genebra da All Nippon Airways, sua carreira também não teria sido possível se sua família não a tivesse ajudado a cuidar de seu filho.

Partilhar este artigo