História e religião

Anarquistas e o terror na Suíça

A história suíça registra muito mais atentados políticos do que se imagina. Porém o clima de terror implantado era geralmente mais amplo do que os danos concretos causados. 

David Eugster (texto), Andrea Caprez (ilustração)

Em setembro de 1898, Isabel, a imperatriz da Áustria e rainha da Hungria, também chamada carinhosamente pelos súditos de "Sisi", passeava com a dama de companhia às margens do lago de Genebra. Então um homem desconhecido correu em sua direção e cravou uma lima pontiaguda no seu coração. Ela sentiu apenas uma pequena picada, mas desmaiou e morreu poucas horas depois.  

O crime foi considerado o primeiro assassinato político da história moderna da Suíça. O autor, o italiano Luigi Luccheni, era um anarquista reconhecido. Ele era um dos muitos refugiados que, na época, encontraram abrigo na Suíça.

Desde as revoluções fracassadas de 1848, o país oferecia asilo político aos ativistas que lutavam contra as monarquias europeias. A Suíça não foi apenas um importante lugar de refúgio para os anarquistas: muitos a consideram até o berço do anarquismo. 

Mas a luta não ficou além das fronteiras nacionais e a Suíça acabou envolvida: nos anos 1880, um anarquista ameaçou explodir o Palácio Federal, a sede do Parlamento e governo.   

Vários dos anarquistas residentes na Suíça sentiram-se obrigados a "colocar em prática a teoria" e cometeram atentados. "Não temos dinheiro para agitar as massas. Por isso que temos de promover atos flagrantes que sirvam com o mesmo propósito", declarou na época Isaak Dembo ao ser interrogado pela polícia. As autoridades suspeitavam que o anarquista russo houvesse utilizado os laboratórios da Escola Politécnica Federal em Zurique para fabricar suas bombas.  

Vários processos julgados nos tribunais locais atraíram a atenção internacional. Um deles foi o de Tatjana Leontieff, uma jovem russa que havia assassinado um negociante francês em um hotel de Interlaken, em 1906, ao confundi-lo com o ministro russo do Interior. Um júri de camponeses da região não a absolveu, mas a condenou-a com uma leve sentença por insanidade. 

A última gota foi um assalto a um banco em 1907. Nele, os anarquistas mataram um funcionário em Montreux. Os assaltantes quase foram quase linchados após a prisão. As massas exigiram a pena de morte para os criminosos. 

Em resposta, a população clamou por restrições ao direito de asilo. Uma reação à onda de violência anarquista foi a chamado “Lei dos anarquistas”, promulgada em 1894 e que punia a construção de bombas. 

Mas o princípio básico permanecia: a "ideia de liberdade na Europa" não deve ser abandonada pela Suíça, escreveu na época o jornal suíço Neue Zürcher Zeitung (NZZ): 

"Você pode perseguir e expulsar pessoas desesperadas como os anarquistas, mas um dia eles irão aproveitar da oportunidade e utilizá-la para seus fins."  

"Pode ser humilhante pensar que não estamos seguros na glória da nossa civilização, mas essa é a realidade. E é importante reconhecê-la." 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo