Navigation

Argelinos comemoram avanço inédito às oitavas de final da Copa

Torcedores da Argélia comemoram classificação para as oitavas de final da Copa do Mundo, em Argel Algerian. 26/6/2014 REUTERS/Ramzi Boudina reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. junho 2014 - 18:15

ARGEL (Reuters) - Os torcedores da Argélia transformaram a capital do país em um festival de fogos de artifício, cantos e danças na noite de quinta-feira para comemorar o avanço de sua seleção às oitavas de final da Copa do Mundo pela primeira vez.

Embalados nas bandeiras verde e branca da nação, os torcedores lotaram o centro de Argel para ver o empate de seu time em 1 x 1 com a Rússia em um telão perto do histórico edifício Grande Poste.

O empate garantiu o segundo lugar no Grupo H, atrás da Bélgica, e Argel irrompeu em fogos de artifício, buzinaços, danças e cantos de "1, 2, 3 Viva a Argélia ". A sirene de neblina de um navio soou na baía da capital em comemoração.

"Magnífico. Que prazer passar de fase. É nossa primeira vez, estamos representando todos os árabes e muçulmanos”, disse Hassan Saheb, comentando o avanço inédito da Argélia às oitavas de final com seus vizinhos nesta sexta-feira. “Tudo é possível agora. Não é uma ciência, é um jogo”.

Foi a primeira vez em quatro tentativas que a Argélia, uma das seleções africanas mais bem colocadas no ranking nos últimos dois anos, passou da fase de grupos. Quatro anos atrás, na África do Sul, o time voltou para casa sem marcar sequer um gol.

As comemorações na capital foram ligeiramente eclipsadas pela perspectiva de enfrentar a Alemanha, uma das favoritas no torneio, na segunda-feira.

“A Alemanha vai ser difícil. Acho que temos 10 por cento de chance contra eles”, disse Adbas Jamal, morador de Argel. "Se a derrotarmos, será um milagre”.

(Por Patrick Markey)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.