Navigation

Como o fechamento da Itália afeta a Suíça

A decisão do governo italiano afeta cerca de 60 milhões de pessoas. Keystone / Mourad Balti Touati

A decisão do governo italiano de impor restrições de viagem a toda a Itália durante o surto de Covid-19 levantou temores de uma paralisação econômica no cantão suíço do Ticino.

Este conteúdo foi publicado em 10. março 2020 - 12:14

Cerca de 68.000 pessoas atravessam a fronteira suíço-italiana todos os dias para trabalhar. Inúmeras outras viajam por turismo. A economia do cantão suíço depende fortemente de seu vizinho italiano para trabalho e comércio. No entanto, existe uma considerável confusão sobre o impacto na Suíça das medidas drásticas tomadas na Itália.

Tentamos explicar o porquê.

O que aconteceu?

End of insertion

Cerca de 16 milhões de pessoas na Itália acordaram no domingo de manhã com a notícia de que grande parte do norte do país encontrava-se em confinamento virtual - na terça-feira de manhã o governo italiano estendeu o fechamento para todo o país, uma medida que afeta cerca de 60 milhões de pessoas. As autoridades ordenaram a todos os habitantes que não se deslocassem, exceto para trabalho e emergências, proibiram todas as reuniões públicas e suspenderam eventos esportivos.

Esta é uma tentativa de conter o surto de coronavírus que levou a mais de 9.000 infecções conhecidas no país e resultou em mais de 400 mortes até agora registradas - os números mais altos do mundo fora da China. Casos do vírus foram confirmados em todas as 20 regiões italianas.

As primeiras infecções conhecidas por coronavírus na Suíça ocorreram no Ticino de língua italiana, que faz fronteira com a Itália, mas o vírus começou a se espalhar de forma independente no país. O Ticino continua sendo o cantão mais afetado. Na terça-feira, as autoridades locais anunciaram sua primeira morte pelo coronavírus, um morador de 80 anos de idade.

Quem pode cruzar a fronteira para a Suíça? 

End of insertion

As restrições italianas devem permanecer em vigor pelo menos até 3 de abril. As autoridades italianas indicaram que ninguém teria permissão para entrar ou sair dessas áreas, ou dentro delas, a menos que tivessem provado razões relacionadas a trabalho para fazê-lo, emergências ou problemas de saúde.

O governo suíço exige que os italianos que trabalham na Suíça apresentem provas de trabalho ao entrar no país. A administração aduaneira federal disse que estava usando verificações no local e controles de fronteira "com base em risco".

Mas os italianos não serão impedidos de trabalhar na Suíça, uma decisão importante para a economia do Ticino. "Isso deve garantir o funcionamento contínuo do sistema de saúde do cantão", disse o governo suíço em comunicado atualizado nesta segunda-feira. Quase 4.000 italianos trabalham no sistema de saúde do cantão.

Não está claro como os estudantes italianos matriculados em universidades do Ticino ou em outros lugares da Suíça serão afetados. A Universidade da Suíça Italiana pediu a seus estudantes dessas áreas na Itália que não visitassem os campi da universidade em Lugano e Mendrisio.

Quem pode cruzar a fronteira para a Itália? 

End of insertion

Berna pediu aos residentes suíços que evitem visitar as áreas afetadas, mas a fronteira permanece aberta para mercadorias e os trens internacionais operam em grande parte dentro do horário. Não há proibição em vigor.

Outros países emitiram avisos de viagem dizendo aos cidadãos para não viajarem para as áreas afetadas.

Que outras medidas são esperadas? 

End of insertion

O governo suíço disse que não tem planos de fechar completamente a fronteira com a Itália, como foi reiterado pelo ministro do Interior Alain Berset, que detém o portfólio de saúde, na noite de segunda-feira pela emissora pública de língua italiana RSI. As considerações econômicas pesam bastante sobre a decisão, dada a importância dos trabalhadores italianos para a economia local do Ticino. Os italianos ocupam um em cada quatro empregos no cantão.

Uma pesquisa pública publicada pelo jornal SonntagsBlick no fim de semana sugeriu que um em cada quatro suíços queria que a fronteira com a Itália fosse fechada por causa da epidemia de coronavírus.

O governo do Ticino disse na noite de segunda-feira que estava proibindo visitas a hospitais e lares de idosos a partir de terça-feira para proteger a saúde dos mais vulneráveis e recursos hospitalares.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.