Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Uefa não consegue impedir mercado negro de ingressos

Os cobiçados ingressos do Euro.

A quarenta dias da Eurocopa, começam a ser impressos e distribuídos os ingressos para o torneio, que acontece de 7 a 29 de junho na Suíça e na Áustria.

A escassez de bilhetes e os privilégios dos "torcedores de primeira classe" incentivam o mercado negro, que a Uefa ameaça, mas não consegue impedir.

A maior oferta feita até agora no site de leilões Ebay por um ingresso do Euro 2008 foi de 5.500 francos suíços. A impressão e a distribuição dos bilhetes pela Uefa a partir desta semana darão novo impulso ao mercado negro.

A ameaça da Uefa de aplicar multas de até 5 francos aos envolvidos parece não inibir esse tipo de negócio. Um exemplo: na bolsa suíça Emticket.net, criada especialmente para a Eurocopa, estão sendo negociados atualmente três mil ingressos.

Uma entrada para um jogo da primeira fase varia de 1.000 a 1.500 francos suíços, dependendo da participação ou não da seleção da Suíça. Para a partida Portugal x Suíça, há ingressos que variam de 300 a 800 francos.

O operador da bolsa, Kurt Schwendener, disse ao jornal SonntagsZeitung que nem ele nem qualquer de seus clientes até agora sofreu ameaça de punição pela Uefa.

Dois mil francos pelo jogo de abertura

No Ebay suíço há mais de 100 ofertas, no Ebay alemão são oferecidos mais de 2 mil bilhetes, a preços que vão de 1.000 a 3.300 francos para as semifinais e a final.

Revendedores profissionais de ingressos, como o site norueguês Euroteam2008.com oferecem, por exemplo, entradas para o jogo Itália x França em Zurique por 1 mil francos. Na plataforma alemã viagogo.de encontram-se ingressos por 1.750 francos (Suíça x Portugal) a 2.000 francos pela partida de abertura do torneio – Suíça contra república Tcheca – na Basiléia.

A Uefa vinha advertindo que tais revendedores não tinham bilhetes, mas a partir desta semana elas supostamente os terão. A entidade avisa que o comércio no mercado negro é no mínimo duvidoso. Pode dar problemas tanto para o vendedor quanto para o comprador.

Revenda de bilhetes de patrocinadores?

Segundo o SonntagsZeitung, há indícios de que estão sendo vendidos ingressos que a Uefa havia entregue aos patrocinadores. A Federação Holandesa de Futebol, por exemplo, anunciou que a seleção laranja será apoiada do Estádio da Suíça, em Berna, pelo dobro de fãs do que o previsto com base nos ingressos reservados pela entidade.

A própria Uefa e sua firma Euro 08 SA admitem que a luta contra o mercado negro é difícil. "As leis não permitem agir contra as plataformas de revenda em todos os países", disse a porta-voz da Euro 08, Pascale Vögeli.

Segundo ela, o comércio de tickets na Suíça é legal. Como os vendedores não revelam sua identidade e nem o número de referência de seus bilhetes na internet, a Uefa dificilmente consegue pegar alguém.

8,7 milhões de pedidos

Um total de 8,7 milhões de torcedores se candidataram para os 346 mil tickets vendidos no "mercado livre" – do total de 1,05 milhão de bilhetes. A maioria saiu de mão vazias.

Enquanto isso, a Uefa garantiu entradas aos "amigos" da entidade, patrocinadores, políticos, às cidades-sede e aos cartolas das nações participantes (leia mais sobre isso na coluna à direita).

Um exemplo: dos 42.500 ingressos para o jogo de abertura do Euro, entre a Suíça e a República Tcheca, dia 7 de junho na Basiléia, 1.275 foram para a "família Uefa", um número igual para os VIPs, 3.400 em forma de pacotes de luxo para empresas, 5.950 para patrocinadores, meios de comunicação, entidades esportivas e supermercados.

Para os torcedores suíços restaram 12.155 ingressos. Espera-se deles que criem um clima de festa no estádio, enquanto os "frustrados" devem se contentar em conseguir uma entrada para assistir aos jogos diante de telões instalados em locais públicos.

swissinfo, Geraldo Hoffmann (com agências)

Divisão do bolo

Dois terços dos 1,05 milhão de ingressos da Eurocopa devem chegar às mãos dos torcedores, mas apenas 33% pela venda pública da Uefa. Confira a distribuição:

1% cidades-sede e operadoras dos estádios

3% família futebolística da Uefa

3% VIPs

8% programa "corporate hospitality" (pacotes de luxo)

14% parceiros oficiais, patrocinadores nacionais e TV

38% federações dos países participantes

33% venda pública

Fonte: Uefa

Aqui termina o infobox
(swissinfo.ch)

×