Navigation

'Capital farmacêutica', Basileia também é a cidade mais poluída da Suíça

A Suíça não é nenhum exemplo em termos de emissões de óxido de nitrogênio, em sua maior parte expelidas por veículos à combustão. © Keystone / Gaetan Bally

Um ranking de mortalidade por poluição atmosférica de mais de 1.000 cidades européias mostra que a Suíça urbana não faz jus à sua fama de assepsia.

Este conteúdo foi publicado em 20. janeiro 2021 - 15:25
swissinfo.ch/ac

O ranking - elaborado pelo Instituto de Saúde Global de Barcelona em colaboração com pesquisadores do Instituto Suíço de Saúde Tropical e Pública (TPH) e da Universidade de Utrecht - é baseado em um estudo publicado na revista The Lancet Planetary Health.  

Dois tipos de poluentes foram analisados: partículas finas (PM2,5) e dióxido de nitrogênio (NO2). Enquanto o NO2 é um gás tóxico ligado principalmente às emissões de veículos, o PM2,5 também é liberado por outras fontes de combustão, incluindo a indústria, o aquecimento doméstico e a queima de carvão e madeira. 

Conteúdo externo

Pela medida de partículas finas, as cidades suíças com maior risco de mortalidade são Basileia (posição 468), Winterthur (481), Genebra (posição 490) e Biel (497). O país se saiu pior no caso de poluição por NO2, com duas cidades entre as 100 primeiras: Basileia (posição 91) e Zurique (posição 94).

Conteúdo externo

Em toda a Europa, as grandes cidades da Espanha, Bélgica, Itália e França têm a maior carga de mortes associadas ao NO2, enquanto a maior mortalidade atribuível a partículas finas é encontrada na Itália, Polônia e República Tcheca. As cidades mais seguras estão em países do norte da Europa como Islândia, Suécia, Finlândia e Noruega.  

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o limite para o material particulado fino seja de 10 microgramas/m3 como média anual. Para o dióxido de nitrogênio, o limite deve ser de 40 microgramas/m3 como média anual. Respeitar estas recomendações da OMS ajudaria potencialmente a evitar 52.000 mortes prematuras por ano na Europa, de acordo com os pesquisadores.  

Em média, 84% da população das cidades europeias está exposta a níveis superiores aos recomendados pela OMS para PM2,5, e 9% para NO2. 

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.