Navigation

Aos 99 anos, militar se cura do novo coronavírus em Brasília

Com aplusos da equipe médica, militar deixou hospital em Brasília afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. abril 2020 - 20:45
(AFP)

Um militar brasileiro de 99 anos se curou do coronavírus e em meio a honras militares recebeu alta nesta terça-feira (14) do hospital em que estava internado.

Acompanhado por aplausos da equipe médica que o atendeu e pelo soar de um trompete, o segundo tenente Ermando Piveta, da Força Experdicionária Brasileira (FEB), saiu em uma cadeira de rodas do Hospital das Forças Armadas em Brasília, onde ficou internado por oito dias.

"Para mim foi uma luta tremenda, mais do que na guerra. Na guerra você mata ou vive, aqui você tem que lutar para poder viver, e saí desta luta vencedor", disse o militar veterano, emocionado, em um vídeo divulgado pelo Exército.

Pivetta, com um quepe verde oliva, levantou os braços em sinal de vitória diante dos jornalistas, antes de deixar o local.

"Ele vence mais uma batalha, agora contra o novo coronavírus, recebendo alta no mesmo dia em que se comemoram 75 anos da 'Tomada de Montese', exitosa campanha das tropas brasileiras na Itália durante a II Guerra Mundial", declarou o Exército em nota.

Em 1942, Pivetta foi um dos integrantes do Quarto Regimento de Artilharia Montada do Brasil, que viajou no navio "Almirante Alexandrino" até Dakar, no Senegal, para participar de exercícios bélicos.

O Brasil se manteve neutro no início da Segunda Guerra Mundial, mas acabou juntando-se aos aliados e declarando guerra ao Eixo, formado pela Alemanha Nazista e a Itália fascista.

Uma expedição do exército brasileiro enviou mais de 25.000 homens para combate na Itália, em 1944.

No Brasil, com mais de 210 milhões de habitantes, é o país latino-americano mais afetado pelo coronavírus, que até a última segunda tinha tinha mais de 1.300 mortos e 23.000 infectados no país.

O ministério da Saúde prevê que a doença chegue ao pico entre o final de abril e início de maio.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.