Navigation

Assessor de Cameron será julgado novamente por escutas ilegais

Andy Coulson será julgado por corrupção de agentes públicos entre 2002 e 2005. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. junho 2014 - 13:26
(AFP)

Andy Coulson, ex-conselheiro do primeiro-ministro David Cameron, condenado na última terça-feira pelo escândalo das escutas do News of the World (NotW), será convocado em um novo julgamento, decidiu nesta segunda-feira a justiça britânica.

O ex-chefe de redação do extinto NotW, que enfrenta uma possível condenação de até dois anos de prisão, foi declarado culpado de escutas ilegais e conhecerá sua sentença na sexta-feira.

Mas os onze jurados não conseguiram, no tribunal de Old Bailey em Londres, chegar a um veredicto sobre as outras acusações contra o ex-conselheiro de David Cameron.

A promotoria precisava decidir nesta segunda-feira entre abandonar o processo ou convocar um novo julgamento, como foi finalmente decidido. A data do julgamento ainda não foi divulgada.

Andy Coulson, assim como o ex-correspondente real do NotW, Clive Goodman, já condenado em 2007 neste caso, serão julgados novamente por suas acusações de corrupção de agentes públicos entre 2002 e 2005.

Os dois homens são acusados de ter pago funcionários para conseguir o famoso livro verde com os dados dos funcionários do Palácio Real.

A outra acusada chave deste julgamento, a muito influente Rebekah Brooks, de 46 anos, foi absolvida na última terça-feira de todas as acusações que pesavam sobre ela.

Fechado de forma precipitada no verão de 2011, o NotW espionou as comunicações telefônicas de centenas de pessoas, celebridades como o príncipe William e Kate Middleton ou o ator Jude Law, assim como de anônimos, para conseguir exclusivas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?