Navigation

Caminhões com ajuda à Venezuela voltam para Pacaraima

Civis comemoram a aproximação de caminhões com ajuda humanitária para a Venezuela à fronteira com o Brasil, em Pacaraima, Roraima, 23 de fevereiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. fevereiro 2019 - 17:37
(AFP)

Os dois caminhões de ajuda humanitária enviados pelo Brasil à Venezuela retornaram à cidade fronteiriça de Pacaraima na tarde deste sábado (23), após ter permanecido estacionados na fronteira durante o dia, segundo os correspondentes da AFP no local.

O primeiro caminhão chegou no fim da manhã ao ponto onde estão as bandeiras dos dois países e parou ao lado do pavilhão da Venezuela. O segundo chegou no início da tarde e estacionou ao lado.

O local fica a 300 metros da Alfândega brasileira e a 300 metros do primeiro cordão militar venezuelano, posicionado a 500 metros da Alfândega deste país.

A iniciativa se insere em uma operação impulsionada em Brasil, Colômbia e Curaçao pelo líder opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente encarregado da Venezuela por meia centena de países, inclusive o Brasil.

"Na Colômbia perdemos um caminhão (...). Guaidó ordenou salvaguardar os produtos, o que queremos é passar para lá de forma pacífica", disse, usando um megafone, um dos coordenadores da operação, pouco antes do recuo.

"O mais valioso que temos é a nossa vida, não quero que nos massacrem", instruiu o porta-voz, do alto de um dos pequenos caminhões dispostos para a operação.

O clima no fim da tarde era de frustração e tédio.

Centenas de pessoas cercaram os caminhões durante o dia.

No entanto, pequenos tumultos do lado venezuelano provocaram alerta e a coordenação decidiu recuar, levando os caminhões para Pacaraima.

Guaidó havia anunciado à tarde a entrada de uma carga de ajuda humanitária proveniente do Brasil.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.