Navigation

China denuncia 'intimidação' dos EUA por medidas contra Tiktok e WeChat

Aplicativos chineses TikTok e WeChat não poderão mais ser baixados nos Estados Unidos afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. setembro 2020 - 01:56
(AFP)

A China acusou neste sábado os Estados Unidos de atos de "intimidação" ao proibir o download dos aplicativos TikTok e WeChat a partir deste domingo, e ameaçou os americanos com represálias.

"Se os Estados Unidos persistirem com suas ações unilaterais, a China tomará as medidas necessárias para proteger firmemente os direitos e interesses legítimos das empresas chinesas", afirmou o Ministério chinês do Comércio em comunicado.

"A China incentiva os Estados Unidos a abandonar seus atos repreensíveis e suas intimidações e a respeitar escrupulosamente as regras internacionais, justas e transparentes", completou Pequim.

Nesta sexta-feira, Washington deu mais um passo rumo à proibição dos dois aplicativos, propriedades dos gigantes chineses ByteDance e Tencent, justificando a decisão com supostos riscos à segurança nacional americana.

De acordo com o decreto assinado pela Casa Branca, o WeChat deixará de ser acessível nos Estados Unidos a partir deste domingo. Já o TikTok não poderá mais atualizar seu aplicativo, mas o serviço continuará disponível para os usuários americanos até 12 de novembro.

Um prazo que poderia permitir que a ByteDance venda suas atividades do TikTok nos Estados Unidos para uma companhia americana, única solução cogitada por Washington para não proibir o aplicativo de vídeos em seu território.

De acordo com o governo americano, estas novas medidas foram definidas para proteger a segurança nacional, mas agravaram a batalha com Pequim sobre a tecnologia digital.

O endurecimento das relações com a China tem sido um dos pilares da campanha de Donald Trump, que buscará a reeleição em 3 de novembro.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.