Navigation

China ressuscita seus ícones na batalha contra Hollywood

Exposição no museu do cinema de Xangai afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. agosto 2014 - 12:56
(AFP)

"A divina", filme dos anos 1930 considerado o ápice do cinema mudo chinês e que conta a história de uma prostituta de Xangai, foi restaurado pelos Arquivos Cinematográficos da China.

O objetivo do governo chinês é promover seu patrimônio cinematográfico para lutar contra a hegemonia de Hollywood.

Rodado em preto e branco em 1934, "A divina" é uma prova da vitalidade e perícia dos estúdios de Xangai em sua época de ouro, quando a cidade era sede de uma das maiores indústrias cinematográficas do mudo.

A heroína é uma jovem viúva que se vê obrigada a se prostituir para sustentar o filho.

Os rumores sobre suas atividades se propagam e a obrigam a tirar o filho da escola. A jovem, explorada por um homem sem escrúpulos, se vê arrastada em uma espiral cada vez mais sombria.

Uma versão digital restaurada do longa-metragem foi exibida recentemente no Festival de Cinema de Xangai.

Outros tesouros do cinema chinês estão em processo de restauração, como parte da ofensiva cultura de Pequim para afirmar a existência de sua indústria cinematográfica ante os Estados Unidos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo