Navigation

COVID-19 já alcançou 38 povos indígenas no Brasil, alerta associação

Mulher indígena da comunidade Parque das Tribos chora no funeral do cacique Messias, de 53 anos, da tribo Kokama, falecido com COVID-19, em Manaus, 14 de maio de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. maio 2020 - 19:00
(AFP)

A Associação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) alertou nesta sexta-feira (15) que o novo coronavírus já se espalhou em 38 povos indígenas do país, registrando 446 casos e 92 mortes, segundo balanço feito pela instituição.

"É com assustadora velocidade que o vírus chega nos territórios indígenas de todo o país", afirmou a APIB em um comunicado.

A APIB destaca que a maioria dos casos foi registrada na Amazônia brasileira, onde há dezenas de povos indígenas, muitos deles isolados ou não contactados.

Na última quinta-feira, indígenas do Parque das Tribos, uma comunidade indígena nos arredores de Manaus, deram adeus ao seu maior líder, o cacique Messias Kokama, morto aos 53 anos por causa da COVID-19. O velório foi realizado com o caixão fechado e envolto em plástico.

A associação ressalta que também há registros de pacientes confirmados no sul do país, nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Uma contagem do Instituto Socioambiental (ISA) relata que apenas em áreas não urbanas há 301 casos de indígenas contaminados por esse vírus, e 19 mortes.

O Brasil, com 202.000 diagnósticos, é o sexto país com mais casos da COVID-19 no mundo, e se considera que este número possa ser até 15 vezes maior, devido à falta de testes em massa. No país, o balanço já é de quase 14.000 mortos.

Em meio ao avanço da pandemia, nesta sexta, o ministro da Saúde, Nelson Teich, renunciou após menos de um mês no cargo. Ele alegou "incompatibilidades" com o presidente de Jair Bolsonaro, que se opõe às medidas de isolamento social para combater a pandemia.

O avanço do novo coronavírus no Brasil também favoreceu o aumento da invasão de garimpeiros e madeireiros ilegais em terras onde vivem esses povos indígenas isolados, como denunciou a ONG Survival International em nota divulgada hoje.

"Aproveitando a pandemia, garimpeiros e madeireiros invadem terras de povos indígenas isolados", alertou a organização.

A Survival International denunciou invasões em quatro locais de quatro estados da Amazônia brasileira. A invasão teria chegado ao Vale do Javari, no estado da Amazônia, perto da fronteira com o Peru e com a maior concentração de povos indígenas isolados.

"O presidente Bolsonaro, com seu discurso racista e ações anti-indígenas para tentar roubar as terras indígenas, está incentivando uma onda de invasões", defende a Survival.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.