Navigation

Covid-19 transforma uma cidade paraguaia em fantasma na fronteira com a Argentina

Lojas fecharam em uma rua da cidade paraguaia de Nanawa, em 28 de janeiro de 2021 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. janeiro 2021 - 19:56
(AFP)

As medidas adotadas para prevenir a covid-19 transformaram Nanawa, uma cidade fronteiriça situada cerca de 60 km a noroeste de Assunção, em uma região fantasma com seus comerciantes em ruínas.

Agentes argentinos guardam a fronteira e só deixam passar os caminhões de mercadorias.

O fechamento afeta famílias inteiras ligadas às duas margens do rio Pilcomayo, fronteira natural entre os dois países.

"Minha esposa mora com uma das minhas filhas em Clorinda e eu em Nanawa com outras duas. Nas festas de final de ano, pudemos nos encontrar por algumas horas para jantar, mas ao amanhecer tive que voltar quando a vigilância estava mais fraca", conta Javier Rodríguez, um dos moradores.

"Uma vez me descobriram e tive que passar 14 dias em um abrigo do governo (da província de Formosa) com muitos outros paraguaios e argentinos", acrescentou.

Os comerciantes, que dependem totalmente dos argentinos, são os mais atingidos e não conseguem vender seus produtos nem mesmo com grandes descontos.

Durante as festas, "vendemos tudo a preços de banana", conta Mariano Vega, um vendedor de laticínios e óleo da região.

- Pedidos para abrir a fronteira -

Muitos dos que habitam Nanawa têm dupla cidadania. Várias dezenas de crianças frequentam escolas argentinas em tempos normais.

A Argentina confirmou um total de 1.905.524 casos positivos e 47.601 mortes, e o Paraguai, 130.263 casos e 2.668 mortes. Apesar da diferença, os pedidos para abrir a fronteira aumentam a cada dia.

"Mantemos contato permanente com o governador de Formosa, Gildo Insfrán, e a resposta (negativa) tem sido a mesma", argumentou o chanceler do Paraguai, Federico González, que acaba de deixar o cargo para dirigir a usina hidrelétrica brasileira de Itaipu.

Pressionado por comerciantes, na última reunião (virtual) de chefes de Estado do Mercosul em dezembro, o presidente paraguaio Mario Abdo Benítez exigiu de seu colega argentino, Alberto Fernández, a decisão política de restabelecer a passagem da fronteira.

Em comparação, já a fronteira brasileira com o Paraguai foi reaberta em outubro.

No momento, os comerciantes só podem sonhar com a ajuda do governo.

A Câmara dos Deputados, em recesso, foi convocada a uma sessão extraordinária para aprovar uma ajuda de 500 dólares por um período de três meses a favor de comerciantes e pessoas físicas e jurídicas devidamente identificados de cinco cidades fronteiriças com a Argentina.

A Câmara dos Senadores já implementou o projeto de lei que também fornece subsídios diretos excepcionais no valor de 80 dólares por um período de três meses para cerca de 500.000 trabalhadores fronteiriços.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.