Navigation

Cristina Kirchner vai a julgamento por corrupção

La exmandataria Cristina Kirchner, actual senadora y candidata a la vicepresidencia de Argentina, será llevada a juicio oral por la causa "cuadernos de la corrupción" afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. setembro 2019 - 20:05
(AFP)

A ex-presidente e atual senadora argentina Cristina Kirchner, candidata à vice-presidência do país, terá que comparecer a uma audiência perante um juiz por conta dos "cadernos da corrupção", uma trama de supostos subornos envolvendo vários ex-funcionários e empresários importantes durante seu governo.

O juiz Claudio Bonadio decidiu nesta sexta-feira (20) pela audiência após concluir o processo de investigação sobre o envolvimento de Kirchner, que desfruta de imunidade parlamentar, disse à AFP uma fonte do tribunal que comparecerá ao caso.

Até o momento, o Congresso argentino se recusou a discutir a retirada da imunidade parlamentar da ex-presidente.

De acordo com a acusação, enquanto esteve à frente do país, entre 2007 e 2015, a senadora peronista recebia pagamentos em dólares em espécie de empresários que desejavam ganhar licitações de obras públicas.

A causa é baseada numa série de cadernos que um motorista do Ministério do Planejamento guardou durante anos, nos quais anotou visitas, nomes de funcionários e empresários e quantias transferidas.

A procuradoria estima que pelo menos 160 milhões de dólares foram movimentados em subornos que também teriam sido pagos entre 2003 e 2007, durante a presidência do marido de Cristina, o falecido Nestor Kirchner.

O escândalo atingiu praticamente todo setor da construção na Argentina, incluindo a família do atual presidente do país, Mauricio Macri, cujo irmão Gianfranco foi convocado a depor por denúncias envolvendo uma empresa do conglomerado em que trabalha.

A ex-presidenta é investigada ainda em outros seis casos de corrupção, incluindo um por lavagem de dinheiro em hotéis que pertencem a sua família, no qual também são acusados seus filhos Máximo e Florencia.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.