Navigation

Equador, onde pandemia e desinformação viajaram de mãos dadas

Duas pessoas carregam um caixão próximo ao hospital Los Ceibos em Guayaquil, em 8 de abril de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 02. junho 2020 - 14:07
(AFP)

Assim como o novo coronavírus, a desinformação também perdeu o controle no Equador, com "fake news" que iam do lançamento de corpos no mar, descoberta de mortos nas praias, à proliferação de remédios "milagrosos" - às vezes perigosos - contra a doença.

Em 25 de janeiro, vídeos sobre a suposta origem da doença já circulavam nas redes sociais. Eram imagens de um mercado de animais vivos, mas não haviam sido gravadas em Wuhan, China, e sim a mais de 3.200 quilômetros, na Indonésia.

Quando a China registrava quase 80.000 casos e cerca de 250 mortes, em 29 de fevereiro, o Equador relatava o primeiro contágio, o Brasil ostentava apenas um caso, e o México, três. Na Colômbia e na Argentina, o vírus ainda era assunto de outros países.

Um mês depois, o Equador contabilizava 2.748 casos, três vezes mais do que a Argentina, para uma população inversamente proporcional. Os serviços de saúde entraram em colapso, e a desinformação se espalhou livremente, com consequências tangíveis para os equatorianos.

- Pico de desinformação -

"Não comprem peixe! Mortos por coronavírus são lançados no mar no Equador e no Peru", dizia a legenda de dois vídeos compartilhados milhares de vezes nas redes sociais.

Um deles mostrava, na realidade, corpos de migrantes em uma praia líbia, em 2014, e o outro, o translado em uma embarcação de um falecido, cujo corpo havia sido jogado ao mar, relataram seus familiares à AFP.

"Sou comerciante de frutos do mar. Isso afetou minhas vendas, devido às mentiras, ou gravações falsas, que foram feitas", contou por WhatsApp à AFP Factual um usuário do Equador.

A rápida expansão de casos no país gerou incerteza sobre o paradeiro final dos corpos.

Circularam suspeitas de fossas comuns, com fotos de túmulos cavados em descampados - imagens freneticamente compartilhadas nas redes. Do material verificado pela AFP Factual, porém, uma foto havia sido tirada no México, em 2018, e a outra, no Equador, mas em 2016, sem qualquer vínculo com a atual pandemia.

Além do Facebook, o governo identificou cerca de 25 grupos com aproximadamente 4.000 usuários cada, no Telegram e no WhatsApp, cruciais na disseminação da desinformação com áudios falsos. A entidade diz ter "desmentido mais de 300 publicações desde março".

Segundo dados da rede internacional de Fact-Checking (IFCN, em sua sigla em inglês), "as duas categorias de informações falsas que mais chamam a atenção são sobre 'autoridades' - ou seja, desinformação de caráter político -, com 230, e as curas falsas, com 181 casos".

- Remédios milagrosos (ou mortais) -

Como em outras regiões, surgiram receitas caseiras para curar a doença: tomar água morna "a cada 10 minutos", alho, gengibre, mel, fazer gargarejos de sal, ou de bicarbonato, entre outros.

Até mesmo o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, publicou em março uma receita para esses fins, a qual o Twitter se encarregou de apagar.

Autoridades de saúde e especialistas concordam: no melhor dos cenários, esses ingredientes apenas aliviam sintomas, mas não curam o novo coronavírus, nem impedem seu contágio. E também alertam: ingerir alguns destes produtos em grandes quantidades pode ser prejudicial à saúde e até fatal.

Hoje, Peru, México e principalmente o Brasil tiraram o Equador do protagonismo que teve no início da crise, que atualmente apresenta cerca de 40.000 casos e 3.400 mortos – em contraste com o meio milhão de casos e quase 30.000 mortos do Brasil.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.