Navigation

Equador ativa esquadrões 'COVID' para evitar um novo caos mortuário

Membros da "equipe COVID", composta por policiais de criminalística do Equador, preparam o corpo de um homem que morreu na rua com suspeita de coronavírus, em Quito afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. agosto 2020 - 13:24
(AFP)

Sua arma foi deixada na patrulha. Imerso em seu traje de biossegurança, William Yugzi entrou apenas com um celular para tirar fotos de uma cena de crime incomum. O homem que morreu, infectado com coronavírus, permaneceu sentado, com um copo d'água e biscoitos nas mãos.

Em uma casa humilde de Quito, Yugzi, de 38 anos, faz o reconhecimento gráfico da posição do corpo, agora com rigor mortis, e observa se apresenta indícios de violência.

O uniformizado faz parte da "equipe COVID", que compõe com outros dois policiais de criminalística e é mobilizada exclusivamente para os casos de coronavírus fora dos hospitais.

No local, também estão um médico do Ministério da Saúde, um fumigador e várias agências funerárias.

Esses esquadrões entraram em ação para evitar um novo colapso pela pandemia. Quando a emergência em Guayaquil (sudoeste) começou, o sistema de saúde entrou em crise junto com os necrotérios. As casas foram transformadas em morgues devido à lenta e caótica reação das autoridades.

Com uma população de 17,5 milhões de habitantes, a pandemia deixa cerca de 10.000 mortos no Equador em seis meses. Mais de 105.000 pessoas foram infectadas.

A AFP acompanhou o trabalho do esquadrão COVID.

- Cena do crime -

A "equipe COVID" número 1, designada para o caso, chega em uma patrulha com as sirenes desligadas. Antes de entrar na casa do falecido, se vestem com os equipamentos de proteção pessoal.

O primeiro a entrar é o responsável por desinfetar a casa e o cadáver. Depois entra o médico e atrás dele vão os policiais. Somente quando a retirada do corpo é autorizada, entram as agências funerárias. As famílias decidem se vão cremar ou sepultar o corpo.

Desde abril, cerca de 300 pessoas em Quito, entre confirmadas e suspeitas de terem contraído coronavírus, morreram repentinamente em casas, ruas, consultórios médicos particulares e carros quando estavam à caminho do hospital, de acordo com as autoridades.

As mortes por causas naturais dispararam em meio à pandemia. De janeiro a julho, houve 28.200 casos a mais em relação ao mesmo período de 2019, segundo o Registro Civil. Como em outros países, existe a suspeita de um grande sub-registro de óbitos por COVID-19.

Ángel Medina, outro dos criminalistas, coleta as impressões digitais do morto, que são comparadas com as do arquivo oficial para a identificação completa.

Em seguida, Yugzi tira a última foto: o rosto do falecido com a "ETIQUETA DE CADÁVER COVID-19". A ficha do caso "15149", que contém o nome completo e número de identidade da vítima, é amarrada ao pulso da mão direita.

- "Possível COVID em andamento" -

O Equador detectou o primeiro caso da COVID-19 em 29 de fevereiro e Guayaquil foi o primeiro foco de contágio na América Latina.

Depois de legalizar a morte de uma mulher também diagnosticada com a doença, que faleceu em outra casa do sul de Quito, a equipe de criminalística se prepara para retornar à base, mas a rádio-patrulha emite um novo alerta: "possível COVID em andamento".

Em um campo de futebol empoeirado do sul da capital, é encontrado o corpo de um idoso morador de rua, que montou uma barraca em uma das esquinas ao pé das arquibancadas, aproveitando que os espaços esportivos não estão sendo utilizados devido à pandemia.

O homem "estava com tosse e até veio uma ambulância, mas ele não quis entrar", disseram os vizinhos. As análises das autoridades servem para registrar a causa na ata: "Provável coronavírus".

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.