Navigation

Espanha pede eleições legislativas "limpas" na Venezuela

Primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, em entrevista coletiva em Madri, em 20 de junho de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 13. julho 2020 - 16:18
(AFP)

As eleições legislativas de dezembro na Venezuela devem ser "democráticas, legítimas e limpas" para que seu resultado seja reconhecido, insistiu a ministra das Relações Exteriores da Espanha, Arancha González Laya, nesta segunda-feira, após uma reunião com seus colegas europeus.

"As próximas eleições parlamentares na Venezuela devem ser democráticas, legítimas e justas como garantia para a União Europeia (UE) e seus Estados-membros reconhecerem esse resultado", disse González Laya.

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, avançou sua intenção de convocar uma reunião do Grupo Internacional de Contato (GCI) com "outros atores-chave" - como o Grupo Lima, segundo o ministro das Relações Exteriores espanhol - para discutir as eleições parlamentares.

"E para enviar uma mensagem forte ao regime (do presidente Nicolás) Maduro sobre suas últimas decisões a esse respeito", acrescentou Borrell.

As eleições para a Assembleia Nacional em 6 de dezembro são determinantes para Guaidó, que baseia sua legitimidade em sua autoproclamação como presidente interino à frente do parlamento. Os principais partidos da oposição, entretanto, boicotarão as eleições.

Diante dessas eleições, a UE, quer manter canais diplomáticos abertos com Maduro para alcançar uma solução política, embora não reconheça sua reeleição em maio de 2018.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.