Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ratos de laboratório são vistos em foto divulgada pela universidade de Kyoto, Japão, em 28 de agosto de 2013

(afp_tickers)

Esperma produzido a partir do tecido congelado de testículos de ratos recém-nascidos foi usado para gerar filhotes saudáveis, um feito que traz esperança para homens que ficaram estéreis em consequência de tratamento contra o câncer na infância, anunciaram cientistas esta terça-feira.

Em um processo chamado de espermogênese, o esperma foi desenvolvido em laboratório a partir de tecido testicular que tinha sido congelado por mais de quatro meses e depois foi depositado diretamente em células de óvulo imaturas para gerar os filhotes.

Os ratinhos nasceram saudáveis e capazes de se reproduzir na idade adulta, anunciaram os cientistas japoneses, autores do estudo, em artigo publicado na revista Nature Communications.

A criopreservação de tecido testicular, tirado de meninos submetidos a tratamento anticâncer há muito é considerado um meio de preservar as chances de virem a ser pais no futuro.

Avanços recentes no tratamento anticâncer impulsionaram a taxa de sobrevivência de pacientes com câncer juvenil e a infertilidade se tornou uma grande preocupação, explicaram os cientistas.

"Embora não seja fácil e exija mais pesquisas, espera-se que no futuro a espermatogênese de outros animais, inclusive de humanos, seja bem sucedida", escreveram.

"Quando esta meta for alcançada, a criopreservação do tecido testicular se tornará um meio prático para preservar a capacidade reprodutiva de pacientes com câncer pré-púberes do sexo masculino", destacaram.

AFP