Navigation

Estudo brasileiro descarta benefícios da hidroxicloroquina contra a COVID-19

O presidente Jair Bolsonaro mostra uma caixa de hidroxicloroquina a seus seguidores em frente ao Palácio da Alvorada, em Brasília, 23 de julho de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. julho 2020 - 01:12
(AFP)

Um estudo publicado nesta quinta-feira (23) sobre o uso da hidroxicloroquina no Brasil para tratar a COVID-19 concluiu que o medicamento é ineficaz contra a doença, contradizendo o presidente Jair Bolsonaro, que defende seu uso há meses.

O teste clínico, realizado em 55 hospitais do país e publicado no New England Journal of Medicine, consistiu em comprovar se a hidroxicloroquina melhorava a saúde dos pacientes com casos leves e moderados da COVID-19 sozinha ou combinada com o antibiótico azitromicina.

O governo brasileiro recomenda desde maio que médicos do sistema público de saúde prescrevam hidroxicloroquina ou cloroquina, um remédio similar usado contra a malária, junto com a azitromicina para tratar doentes com COVID-19.

Assim como seu colega americano, Donald Trump, de que é admirador, Bolsonaro defende o uso da hidroxicloroquina contra a doença.

O presidente afirma tomar o medicamento após ter se infectado com o novo coronavírus este mês.

Vários testes controlados randomizados, considerados a forma mais confiável de pesquisa científica, concluíram que o medicamento é ineficaz para tratar a COVID-19 e pode provocar efeitos colaterais nocivos para a saúde.

O teste feito no Brasil chegou à mesma conclusão. Com quase 212 milhões de habitantes, o país se tornou o maior laboratório de testes de medicamentos contra o novo coronavírus, devido em parte à política do governo Bolsonaro.

"Entre os pacientes hospitalizados com COVID-19 entre leve e moderada, o uso de hidroxicloroquina, sozinha ou com azitromicina, não melhorou a situação clínica após 15 dias, em comparação com cuidados habituais", diz o estudo realizado por cientistas da chamada Coalizão COVID-19 Brasil.

Entre os membros deste grupo estão dois institutos de pesquisa e seis hospitais, incluindo o Albert Einstein de São Paulo, considerado um dos melhores da América Latina.

O estudo, feito com 667 pacientes, permitiu comprovar que quem recebeu hidroxicloroquina desenvolveu marcadores clínicos que aumentaram o risco de padecer de problemas cardíacos ou hepáticos.

Os autores admitiram, no entanto, que o estudo tenha várias limitações, como o fato de não ser "cego", ou seja, que pacientes e médicos sabiam quem fazia parte do grupo de controle e quem recebeu o tratamento.

"O teste não pode descartar definitivamente um benefício significativo do medicamento testado, nem um dano substancial", indicaram seus autores.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.