Navigation

Estudo estima que apenas 5% da população da Espanha contraiu o coronavírus

Garçonete com máscara facial serve clientes no terraço de um bar perto da Catedral de Palma de Mallorca, Espanha, 11 de maio de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 13. maio 2020 - 20:08
(AFP)

Apenas 5% da população espanhola contraiu o novo coronavírus, ainda que essa taxa aumente para 10% na região de Madri e em outras do centro do país, segundo estudo publicado nesta quarta-feira (13) pelo governo.

"O estudo constata que 5% da população espanhola, em nível nacional, teve algum contato com o vírus, ou seja, pouco mais de 2 milhões de pessoas", declarou o ministro da Saúde, Salvador Illa, ao comentar os primeiros resultados parciais desse estudo iniciado em 27 de abril e que testou mais de 60.000 pessoas.

"O resultado que mais chamou atenção foi a grande variabilidade geográfica", ressaltou o ministro.

O estudo demonstra que o coronavírus circulou muito mais no centro do país, especialmente na capital, do que em outras regiões.

As maiores taxas de contágio foram registradas nas vizinhas Castilla e León, com 14,2% em Soria e Castilla-La Mancha por exemplo.

A Espanha, um dos países mais afetados pelo coronavírus no mundo, está longe do nível suficiente de contágio, estimado em 65% a 70% da população, a partir do qual se considera que haja um nível suficiente de imunidade coletiva.

Até agora, o governo espanhol relatou apenas os resultados de uma primeira onda de "testes rápidos" para encontrar anticorpos contra o coronavírus.

"Não encontramos diferenças entre homens e mulheres, nem nas faixas etárias", embora "seja verdade que crianças e adolescentes pareçam ter uma prevalência mais baixa", explicou o ministro.

A França, que ultrapassou o número de 27.000 mortes nesta quarta, publicou um estudo semelhante que mostra que menos de 10% da população foi infectada pelo novo coronavírus na região de Paris e no nordeste, as duas áreas mais afetadas no país.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.