Navigation

EUA condena novo órgão eleitoral na Venezuela 'alinhado com regime'

O segundo vice-presidente do Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela, Juan José Mendoza, pronuncia um discurso durante a posse das autoridades do Conselho Nacional Eleitoral, em Caracas, em 12 de junho de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. junho 2020 - 14:10
(AFP)

Os Estados Unidos condenaram, nesta segunda-feira (15), a nomeação na Venezuela do novo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), por considerá-lo "alinhado ao regime" de Nicolás Maduro, o que o tornaria incapaz de organizar eleições livres no país.

"Infelizmente, em 12 de junho, o Tribunal Supremo (de Justiça, TSJ) controlado pelo regime de Maduro continuou manipulando a Constituição venezuelana, ao nomear ilegalmente um novo Conselho Nacional Eleitoral (CNE) alinhado com o regime", disse o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

Em uma declaração, o chefe da diplomacia dos EUA lembrou que, de acordo com a Constituição da Venezuela, é a Assembleia Nacional (Parlamento) unicameral, "eleita democraticamente", que deve nomear os membros da CNE.

"Sem seguir esse processo, é impossível que haja eleições que representem a vontade do povo. O regime selecionou uma CNE que selará suas decisões e vai ignorar as condições necessárias para eleições livres", afirmou Pompeo.

"Este passo do regime e de seu Tribunal Supremo leva a Venezuela para ainda mais longe de uma transição democrática", insistiu.

Desde janeiro de 2019, os Estados Unidos lideram a pressão internacional para tirar Maduro do poder. Sua reeleição em maio de 2018 é até hoje considerada fraudulenta por Washington. Além disso, os americanos acusam-no de corrupção generalizada e de graves violações dos direitos humanos.

Nesse contexto, Washington apoia os esforços de Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional eleito em dezembro de 2015 e que, desde janeiro de 2019, é reconhecido como presidente interino da Venezuela por quase 60 países. O objetivo dos EUA é conseguir a realização de novas eleições sem Maduro no poder.

Nesta segunda-feira, Pompeo enfatizou que "uma CNE independente é um pré-requisito central para eleições livres e justas". Isso já havia sido apontado pelos Estados Unidos em janeiro, quando defenderam o diálogo na Venezuela para a formação de um governo de transição que leve à convocação de eleições gerais antes do fim do ano.

No sábado, Maduro disse que "chegou a hora" de renovar a Assembleia Nacional, dominada pela oposição, com as novas eleições agendadas para este ano, ainda sem data. O anúncio foi feito depois que o TSJ nomeou as novas autoridades eleitorais na sexta-feira.

O TSJ considera inválidas as decisões da Assembleia Nacional, depois de tê-la declarado "em desacato" no início de janeiro de 2016.

Além da crise política, a Venezuela atravessa um colapso econômico agudo desde que Maduro chegou ao poder em 2013.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.