Navigation

Governo da Bolívia desiste de ir ao Foro de São Paulo

(Arquivo) O chanceler da Bolívia, Diego Pary afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 25. julho 2019 - 22:56
(AFP)

A Bolívia não enviou uma delegação oficial ao Foro de São Paulo, iniciado nesta quinta-feira na Venezuela, informou seu chanceler, Diego Pary, embora movimentos ligados ao presidente Evo Morales tenham confirmado a sua participação.

A Bolívia "não assistirá como Estado" ao XXV Encontro do Foro de São Paulo, embora "movimentos sociais estejam participando", disse Pary, citado pelo jornal Página Siete.

Para esta ocasião, o Foro espera a presença de mais de 125 movimentos e partidos políticos de esquerda do mundo.

O presidente Jair Bolsonaro, que recebeu Morales na semana passada em Brasília, afirmou à imprensa que "a Bolívia está dando sinais de querer se afastar do Foro de São Paulo".

Embora Morales não vá ao evento, uma delegação do partido do presidente, o Movimento Ao Socialismo (MAS), encabeçada pela indígena Juanita Ancieta, viajou a Caracas, sede do Foro.

Bolsonaro, que considera o Foro um centro de conspiração continental de esquerda, disse esperar que o partido de Morales "não participe" desta reunião.

A Bolívia precisa do respaldo do Brasil para ser integrada como membro pleno no Mercosul, também formado por Argentina, Paraguai e Uruguai, e os dois presidentes têm dado sinais de aproximação.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.