Navigation

Grupo de Lima rejeita eleições legislativas venezuelanas

Votação em escola de Caracas em 6 de dezembro afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. dezembro 2020 - 14:26
(AFP)

O Grupo de Lima, que promove uma transição pacífica na Venezuela, afirmou nesta segunda-feira que as eleições legislativas de domingo neste país "carecem de legalidade e legitimidade", o que significa que a vitória do chavismo não deve ser reconhecida pela comunidade internacional.

"Pedimos à comunidade internacional para que se una à rejeição destas eleições fraudulentas e apoie os esforços para a recuperação da democracia na Venezuela", afirma o Grupo em uma declaração assinada por 16 países e divulgada pela chancelaria do Peru.

O bloco, formado em 2017 por iniciativa do Peru, afirmou que as eleições aconteceram "sem as mínimas garantias de um processo processo democrático, de liberdade, segurança e transparência, nem de integridade dos votos, nem a participação de todas as forças políticas, nem de observação internacional".

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, recuperou o controle do Parlamento, cinco anos depois de perder a maioria, em eleições boicotadas por quase toda a oposição e marcadas por uma elevada abstenção de 69%, além de uma forte rejeição internacional.

A declaração do Grupo de Lima foi assinada por Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica Equador, El Salvador, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana e Santa Lúcia, países que reconhecem o líder opositor parlamentar Juan Gauidó como presidente encarregado da Venezuela.

O Grupo pediu aos políticos venezuelanos que coloquem os interesses da Venezuela em primeiro lugar e se comprometam de maneira urgente a um processo de transição (...) para encontrar uma saída pacífica e constitucional" com "eleições presidenciais e parlamentares livres, justas e confiáveis".

O governo dos Estados Unidos, que chamou de "farsa" estas eleições, lidera a pressão contra Maduro com sanções econômicas a Venezuela, incluindo um embargo do petróleo em vigor desde abril de 2019.

O governo britânico também anunciou que não reconhecerá a nova Assembleia Nacional venezuelana, reafirmando seu apoio ao líder opositor Juan Guaidó.

"O Reino Unido não reconhecerá a legitimidade de uma nova Assembleia Nacional venezuelana baseada em eleições profundamente falhas em 6 de dezembro", afirmou o ministro britânico das Relações Exteriores, Dominic Raab no Twitter.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?