Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O chefe do Estado Islâmico (EI), Abu Bakr Al-Baghdadi, aparece em vídeo postado em sites jihadistas pedindo para que todos os muçulmanos o obedeçam, em 5 de julho de 2014

(afp_tickers)

A Al-Qaeda no Magreb Islâmico (Aqmi) rejeitou o recente anúncio pelo Estado Islâmico (EI), um grupo ultrarradical sunita, de um califado entre o Iraque e a Síria, informou nesta terça-feira o centro americano de observação dos sites islamitas SITE.

Em um comunicado, a Aqmi, uma das filiais mais perigosas da Al-Qaeda, renovou sua obediência ao líder da rede extremista, Ayman al-Zawahiri, em conflito aberto com o chefe do EI, Abu Bakr Al-Baghdadi, que se autoproclamou califa dos muçulmanos em todo o mundo.

Aqmi critica o IE por ter proclamado seu califado "sem consultar os líderes dos mujahidenes", referindo-se aos grupos jihadistas, e questiona o que o grupo reserva aos emirados auto-proclamados, incluindo o "Emirado Islâmico no Afeganistão" e o "Emirado Islâmico do Cáucaso" ou aos ramos da Al-Qaeda e outros grupos jihadistas.

Em seu comunicado, de 4 de julho, a Aqmi diz que "deseja um califado, seguindo a forma da profecia, com base na shura (consulta), e que procura unir os muçulmanos e salvar seu sangue".

"Ainda há tempo para corrigir os defeitos deste anúncio" de califado, acrescenta a Aqmi que apela os líderes jihadistas a agir normalmente "para preservar a unidade dos muçulmanos".

O pregador islâmico Abu Qatada, julgado por terrorismo na Jordânia, denunciou por sua vez o anúncio de califado pelo EI como "nulo e sem qualquer sentido, porque não foi aprovado pelos jihadistas em outras partes do mundo".

"Esse grupo não tem a autoridade para dirigir todos os muçulmanos e sua declaração é válida apenas para si mesmo", acrescentou Abu Qatada, por certo tempo considerado "o embaixador na Europa de (Osama) Bin Laden", o fundador da al-Qaeda, em um documento de 21 páginas publicado em sites jihadistas.

O EI, acusado de numerosas atrocidades, proclamou no final de junho um califado nos territórios que controla no norte da Síria e leste do Iraque.

AFP